Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Variedades

Refinanciamento com nome sujo: saiba se é possível realizá-lo

Pessoas negativadas esbarram na análise de crédito para aprovação.

 

O refinanciamento é uma excelente opção de crédito no mercado para quem precisa de bastante dinheiro a juros baixos e pouca burocracia. Porém, a maioria das instituições financeiras só costuma liberar crédito para quem está com o nome limpo.

 

Se você quer pagar um débito com outro, o refinanciamento é uma boa opção. Esse modelo oferece o pagamento da dívida parcelada, com juros mais baixos que o empréstimo pessoal, por exemplo. No entanto, será que é possível realizá-lo com o nome sujo? Sim! Algumas instituições aceitam com certas restrições.

O que é refinanciamento?

O refinanciamento é uma modalidade de empréstimo que consiste na cessão de crédito dando um bem como garantia. Os tipos mais famosos no país são o imobiliário e o automotivo.

 

Por ter um bem de valor como garantia, o banco oferece condições mais vantajosas, com taxas de juros mais baixas e prazo estendido para pagamento. Caso o solicitante do empréstimo não honre com a quitação das parcelas, ele pode perder o bem para o banco.

 

Assim, a casa ou o carro dado como garantia fica alienado ao banco. Em casos de atrasos recorrentes, a instituição financeira pode levar o bem a leilão para sanar a dívida.

Como fazer o refinanciamento com o nome sujo?

Falamos acima que é possível fazer o refinanciamento com o nome sujo. Mesmo com restrições no CPF, alguns bancos aceitam liberar crédito para clientes negativados, porém, com condições menos vantajosas que as oferecidas em situações regulares.

 

As principais vantagens do refinanciamento são os juros baixos e prazo adequado de pagamento, o que pode se perder quando você tenta a operação e está com o nome sujo. Geralmente, os bancos limitam o valor do crédito a ser cedido para o solicitante e impõem taxas de juros bem mais altas que as habituais.

Será que vale a pena fazer refinanciamento com nome sujo?

Se a sua intenção é pegar uma dívida mais barata para pagar uma despesa atrasada, provavelmente, fazer um refinanciamento com o nome sujo não valerá a pena. Porém, existem outras saídas e dicas que você pode pôr em prática para ter vantagens semelhantes. Confira abaixo.

Negocie suas dívidas antes de pedir o refinanciamento

Uma dica importante é tentar renegociar suas dívidas antes de dar entrada no refinanciamento. Coloque suas economias na mesa ou peça dinheiro emprestado a amigos e familiares para pagar o saldo devedor e limpar o seu nome.

 

Assim, com o nome limpo, você pode pedir o refinanciamento e aproveitar as vantagens. Dessa maneira, o montante emprestado por outra pessoa pode ser pago logo que você receber o dinheiro do banco. Se você usou suas economias, poderá repor o valor.

Pense em outras opções de crédito

Considerar outras opções de crédito é importante, principalmente, aquelas que não apresentam dificuldades para quem está com o nome sujo. Dessa maneira, você pode conseguir uma linha com boas condições neste momento. Citaremos duas opções boas para quem está negativado, veja abaixo.

Empréstimo consignado

Se você é servidor público, militar, aposentado, pensionista do INSS ou trabalha com carteira assinada, pode pedir um empréstimo consignado. As instituições financeiras oferecem excelentes condições para essa modalidade com juros baixos.

 

Nesse processo, o banco tem a garantia de recebimento do valor, já que as parcelas são descontadas diretamente do salário ou do benefício recebido pelo solicitante. Quem se encaixa em uma das categorias listadas no parágrafo acima pode aproveitar as vantagens dessa operação.

Penhora

A penhora de bens também é uma boa opção para conseguir crédito sem muita burocracia. Neste caso, basta você penhorar um item de valor, como uma joia, por exemplo, para adquirir dinheiro rápido para pagar as dívidas atrasadas.

 

A quantia emprestada pode chegar a até 85% do valor de avaliação do bem penhorado. A principal diferença para o refinanciamento é que o objeto fica em posse do banco até que a dívida seja quitada. Caso o débito não seja pago até a data prevista, o item é penhorado, ou seja, vendido em leilão, e você perde a chance de recuperá-lo.