Wii Terapia auxilia tratamento de doenças

Jogos são usados como uma alternativa eficaz para pacientes com as mais variadas patologias neurológicas

Videogame e terapia atrelados ao auxílio no tratamento de doenças. Essa novidade tem trazido resultados positivos aos pacientes que experimentam a modalidade. Existem vários modelos no mercado, o Wii da Nintendo, vem sendo apontado como um dos que apresentam mais funções terapêuticas. O jogo vem sendo incorporado ao arsenal de recursos de reabilitação oferecidos pelos principais centros de reabilitação do mundo.

Segundo a terapeuta ocupacional e sócia do Centro de Recuperação Neurológica – CERNE, Syomara Cristina Smidiziuk, como o Wii é manuseado com um controle sem fio e uma plataforma, os jogadores conseguem executar movimentos mais precisos, de uma maneira mais harmoniosa, o que acaba trazendo bons resultados para a terapia “Quando os pacientes estão jogando (beisebol, boliche, boxe, tênis, skate, dança e etc.) o esforço para executar as jogadas traz resultados positivos para o organismo. Como fortalecimento muscular, estímulo cerebral, aumento da capacidade de concentração e de equilíbrio”, comenta.

Por esse motivo, o tratamento tem sido indicado para ajudar pacientes com lesão causada por AVC, paralisia cerebral ou por disfunções causadas por Parkinson, Alzheimer que dificultam as funções do dia-a-dia. Outro ponto positivo é que o videogame aumenta a adesão dos pacientes aos tratamentos, já que acaba tornando o processo mais leve. “A Wii Terapia é um complemento da terapia, ela nos ajuda a trabalhar movimentos que necessitam de ajustes, que entretido com o jogo, demonstram mais facilmente”, explica.

Syomara lembra ainda da importância do tempo de uso do Wii no tratamento dos pacientes. “As sessões devem levar de 20 a 30 minutos no máximo, se passamos desse tempo, a pessoa que está jogando passa a viver a realidade virtual e não é isso que queremos. Usamos o Wii como uma terapia complementar, e ele traz inúmeras vantagens, quando usado de maneira adequada”, finaliza.

Comentários

Notícias relacionadas