Nova Odessa: Tempo seco requer cuidados especiais com a saúde


Ingerir bastante líquido, consumir frutas e vegetais e evitar exposição direta ao sol são algumas das orientações; cuidados com o meio ambiente também devem ser reforçados

 

O tempo seco característico do inverno é conhecido por potencializar vários problemas respiratórios. No entanto, a falta de chuvas também apresenta um outro vilão: a baixa umidade do ar. Neste período, é preciso redobrar a atenção com a saúde para evitar o agravamento de doenças e alergias.

 

A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que o ideal é que a umidade do ar fique entre 40% e 70%. Abaixo de 30%, como tem sido registrado na região nas últimas semanas, é considerado estado de alerta e os cuidados com a saúde devem ser intensificados.

 

Índices baixos como este podem desencadear quadros de rinite, asma, bronquite e outras complicações alérgicas e respiratórias ocasionadas pelo ressecamento das mucosas, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos, garganta seca, cansaço e maior risco de infecções virais e bacterianas.

 

Coordenador de Enfermagem do Hospital Municipal e Maternidade Dr. Acílio Carreon Garcia, André Barros afirma que crianças e idosos são os mais prejudicados com a baixa umidade do ar, em especial os que já sofrem de alguma doença respiratória.

 

Além de aumentar ingestão de água, para hidratar o corpo, ele afirma que a higienização das mãos também deve ser feita com maior frequência, prevenindo assim a propagação de doenças e removendo maior quantidade de microrganismos, diminuindo, consequentemente, o risco de infecções.

 

A velha dica de toalhas molhadas na janela ou bacia com água no cômodo também ajudam”, disse. Segundo ele, é indicado também evitar ambientes fechados e, em casa, sempre passar pano úmido para evitar acúmulo do pó.

 

A ingestão de frutas e vegetais e redução do tempo de exposição direta ao sol são outras recomendações médicas que ajudam a cuidar do corpo neste período mais seco.

 

 

MEIO AMBIENTE – Além dos cuidados com o corpo é preciso atenção especial também no período de estiagem com o meio ambiente. Nesta época do ano os riscos de queimadas e incêndios aumentam consideravelmente e a população pode contribuir.

 

 

 

Segundo a secretária de Meio Ambiente de Nova Odessa, Carla Lucena, não se deve atear fogo em nenhuma área, nem jogar cigarros ou fósforos acessos às margens das rodovias, especialmente de carros em movimento. “Embora possa parecer um ato pequeno, até rotineiro, uma bituca de cigarro acesa pode causar um incêndio de grandes proporções já que a mata está seca e o fogo se propaga mais rápido”, disse.

 

Carla lembrou que em Nova Odessa existe uma legislação que prevê multa de R$ 500 a R$ 5 mil em casos de flagrantes ou identificação de responsáveis por queimadas. “Temos uma lei que pune e contamos com a conscientização dos moradores para evitarmos situações que prejudicam, e muito, o meio ambiente”, disse.

 

Além da Secretaria de Meio Ambiente, a Defesa Civil também atua no combate às queimadas e incêndios e conta com um roteiro de visitações e orientações aos moradores, para que não ateiem fogo e tomem uma série de cuidados.

 

Denúncias de queimadas podem ser feitas à Defesa Civil pelo telefone da Guarda Civil Municipal, que é o 153 (ligação gratuita).

 

 

Foto: Osnei Réstio

 

Comentários

Notícias relacionadas