Nova Odessa: Desfile e dança promovem autoestima feminina


Mulheres atendidas pelo Programa Renda Cidadã participaram de evento no CRAS de Nova Odessa

 

O CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) do Jardim das Palmeiras realizou, nesta terça-feira (24), um desfile de moda com roupas do dia a dia e promoveu apresentações de Dança do Ventre para mulheres participantes do Programa Renda Cidadã. O objetivo é o resgate da feminilidade e a melhora da autoestima nas mulheres.

O Renda Cidadã é desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Social, do Governo do Estado, visando à transferência de renda por meio de apoio financeiro direto às famílias e promovendo ações complementares. Objetiva a autossustentação na qualidade de vida da família beneficiária do programa. O público-alvo é formado prioritariamente por famílias com renda mensal per capita até ¼ do salário mínimo. O CRAS de Nova Odessa atende 15 famílias, cujas mulheres frequentam as atividades.

Coordenadora da unidade, Solange Paulon explica que a ação foi realizada pela equipe do CRAS para promover a autoestima feminina. “A proposta do desfile é a do guarda-roupa inteligente, permitindo trazer roupas básicas que, com acessórios, ficam diferentes e melhores”, ressalta. “Além disso, através da dança despertar a mulher que muitas vezes elas não conhecem ou se esqueceram”, acrescenta.

Uma das participantes foi Viviane Beraldo Nogueira, que aprovou a iniciativa. “Foi muito bom, gostei. São coisas diferentes, pra gente se divertir”, destaca. Ela desfilou e depois pôde aprender passos de Dança do Ventre com a professora Jade Jalilah, formada com selo internacional e há mais de 10 anos se apresentando em eventos realizados nas cidades da região, na Capital Paulista e também fora do país.

Eu participo de várias festas tradicionais árabes em São Paulo”, cita Jade, que ensinou técnicas básicas às mulheres do CRAS. “Cada movimento tem uma história dentro da Dança do Ventre”, explica a professora. “Tanto fisicamente quanto psicologicamente o ganho é muito grande. A mulher se sente com o corpo mais fortalecido e perde calorias, além da autoestima melhorar junto da confiança”, reforça.

A outra dançarina a se apresentar foi Fabiana Lazagna, professora de Educação Básica e que descobriu a dança aos 35 anos – hoje tem 43. “Muitas mulheres, quando se tornam esposas e principalmente mãe, acabam esquecendo um pouco da feminilidade”, descreve. “Toda dança é boa e a do ventre, em especial, resgata a autoestima. A mulher tem que dançar para se sentir bem”, completa.

A primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Andréa Souza, enalteceu a iniciativa do CRAS. “São oportunidades oferecidas para as mulheres se encontrarem com alguma atividade e serem mais felizes”, frisa. “Temos atividades como esta no CRAS, além de aulas de ritmos e várias outras ações voltadas ao público feminino, promovendo o bem-estar das mulheres”, finaliza.

Assessoria de imprensa

Comentários

Notícias relacionadas