Santa Bárbara d´Oeste 

Nas Olimpíadas do Rio, ‘Kip Keino foi o porta-bandeira da Educação Mundial’


A Educação subiu ao lugar mais alto do pódio nas Olimpíadas Rio 2016. Ícone do atletismo queniano, Kipchoge “Kip” Keino foi primeiro a receber o Laurel Olímpico, em reconhecimento ao seu trabalho socioeducacional por meio do esporte. O bicampeão olímpico abriu um orfanato e instituições de ensino no Quênia, após pendurar as sapatilhas.

A honraria, entregue ao ex-atleta na abertura dos jogos (05/08), foi criada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para distinguir esportistas por suas contribuições à educação, cultura, desenvolvimento e paz.

“Juntem-se a mim e apoiem todos os jovens deste mundo para que estes possam obter o que é básico para a humanidade: comida, abrigo e educação. Educação não apenas habilita nossos jovens a se tornarem melhores cidadãos e líderes do futuro, mas também irá ajudá-los a fazer uma mudança positiva e uma poderosa diferença”, pediu Keino aos competidores, em seu discurso de agradecimento.

Em 1973, ele abriu um lar para crianças, onde vivem atualmente mais de cem órfãos. Um vídeo apresentou o projeto, durante a cerimônia no Maracanã. Além de imagens da natureza de seu país, o clipe mostrou o trabalho de Keino no orfanato: “viemos a este mundo com nada […] e partimos deste mundo com nada. Nossa contribuição para a comunidade é o legado que deixamos”.

O homenageado entrou no estádio cercado de crianças empinando cerca de 200 pipas brancas, que tinham sido levadas ao Quênia e dadas aos pequenos de seu lar. Com mensagens de paz e amor escritas pelos órfãos, as pipas foram soltas no Rio de Janeiro por brasileirinhos.

O ex-atleta ganhou seu primeiro no ouro nos Jogos Olímpicos Cidade do México 1968, na prova dos 1.500 metros; mas, nos 5.000 metros da mesma competição, uma medalha de prata refletiu ainda melhor sua garra: a conquista veio após fazer seis corridas em oitos dias com uma infecção na vesícula. Nas olimpíadas seguinte, de Munique, foi o melhor dos 3.000 metros com barreiras e o segundo nos 1.500.

Já com a carreira encerrada, em 1999, ele abriu a Escola Kip Keino, visando suprir a carência de instituições de ensino da região onde mora, Eldoret. Frequentam o colégio mais de 300 crianças, de seis a 13 anos. Em 2002, o primeiro Laurel Olímpico lançou o Centro de Alta Performance Kip Keino, que acolhe os atletas mais promissores do atletismo queniano. E, sete anos depois, inaugurou sua segunda unidade educativa.

“Keino foi o porta-bandeira da Educação Mundial, nestes jogos olímpicos. Tomara que os atletas que estão no Rio escutem o pedido dele e apoiem nossa causa”, comentou a educadora Ana Lúcia Maestrello, que desenvolveu uma metodologia de aceleração da aprendizagem e também a utiliza para promover a Educação.

 

Com informações da Deutsche Welle (DW).

Assessoria de imprensa: Juan Piva

Comentários

Leia também...