Literatura Socioambiental será apresentada à Educação de Sumaré

Ainda comemorando sua primeira premiação, o Instituto de Educação e Meio Ambiente (IEMA) vai ministrar, nesta quarta-feira (9), uma oficina sobre o Projeto Literatura Socioambiental a coordenadores e diretores da Rede Municipal de Ensino sumareense.

Formatada pela linguista e presidente do IEMA, Ana Lúcia Maestrello de Micheli, a atividade será gratuita, com realização das 13h30 às 16h50min, no Centro de Formação de Educadores Municipais de Sumaré (Cefems). “Esta oficina tem como objetivo apresentar uma proposta inovadora de inserção da alfabetização ecológica nas escolas, tendo como ferramenta principal a literatura”, comenta Ana.

Por meio dessa metodologia pioneira, será  redimensionada a leitura compartilhada em sala de aula – ocasião em que o professor faz a leitura de um livro em voz alta e em conjunto com os alunos – para melhor aprendizagem sobre questões ambientais. “Como a grade curricular é engessada, sugerimos encaixar nosso Projeto Literatura Socioambiental, com conteúdo programático a ser vencido, nesse momento não sistematizado”, complementa a presidente do IEMA.

“Na oficina, aponto alternativas para intensificar o aprendizado dos conceitos de ensino sobre ecologia nas escolas, uma vez que o assunto ainda é discutido em muitas instituições de ensino esporadicamente, com os mesmos materiais didáticos. É necessário entender que o público muda. As crianças de hoje sabem como usar um celular ou um tablet, por isso é preciso dar uma aula mais dinâmica, mais atraente, porém, estruturada, para que a tecnologia tenha função pedagógica”, ressalta ela.

Para exemplificar sua metodologia, Ana realiza uma dinâmica com os participantes da oficina. Primeiramente, para aprimorar a leitura compartilhada, será proposto um recorte temático. Para a capacitação em Sumaré, o tema escolhido foi a conservação dos recursos hídricos, tendo como base literária a estória da Cinderela.  “Apresento o contexto ficcional narrativo da obra Cinderela no âmbito da gestão da água e demonstro ao público como a leitura compartilhada pode ser melhorada, a fim de fazer com que os alunos reflitam sobre questões ambientais e escrevam a respeito, como forma de mensuração do conhecimento adquirido por eles”, afirma a linguista.

Vale ressaltar que esse projeto do Instituto de Educação e Meio Ambiente foi premiado como “Prática Significativa de Educação Ambiental”, voltada à conservação dos recursos hídricos, no XIII Diálogo Interbaciais, que aconteceu de 1º a 3 de setembro, em São Pedro (SP).

 

Comentários

Notícias relacionadas