SB24Horas

Notícias na hora certa!

Fibromialgia: um mistério para médicos e pacientes

fibromialgia-viver-bem-620

 

Apesar das incríveis descobertas e avanços na área da medicina, os médicos ainda não conseguiram identificar a causa e nem os fatores responsáveis por desencadear as crises de dores generalizadas que acometem os pacientes com Fibromialgia. Permanece o mistério e o que mais intriga é qual o real mecanismo por trás desse quadro. O que hoje se sabe é que uma ativação involuntária acontece no sistema nervoso central aumentando a resposta e a percepção da dor. O interessante é que há mais de cem anos estuda-se esse contexto, mas somente em 1990 a fibromialgia foi reconhecida como doença.

A Fibromialgia é caracterizada principalmente pelas dores crônicas e difusas, acompanhadas de alodinia (estímulos sensoriais que, em situações normais, não provocariam dor) ou hiperalgesia (sensibilidade exagerada à dor ou a estímulos dolorosos) que geralmente acometem pontos mais específicos como os demonstrados na figura abaixo. Alguns pacientes citam sintomas associados como fadiga, cefaléia, intolerância ao frio, sensação de inchaço, alterações no sono e humor, distúrbios intestinais, aumento do estado de ansiedade e depressão.

carol-fibromialgia-figura

As mais acometidas são as mulheres e o primeiro episódio geralmente ocorre durante a menopausa. Mas os jovens e idosos não estão livres, nem as crianças. Quando ocorre na infância, a síndrome tende a ser marcante, pois afeta um estágio de importante desenvolvimento físico e mental. O tratamento para os pequenos geralmente envolve muita prática de exercício físico e pouca intervenção farmacológica e os resultados são bem satisfatórios.

Nos adultos, porém, nem sempre o exercício físico faz tanto sucesso. Em alguns casos, pode aumentar o limiar de dor; em outros, torna-se uma excelente intervenção não-farmacológica. Um estudo recente realizado pelo médico e pesquisador Dennis Ang, da Universidade de Washington, demonstrou que uma entrevista motivacional foi estrategicamente importante para incentivar a prática regular de 30 minutos de atividade física em pacientes com fibromialgia. Os benefícios de quem recebeu os incentivos para se exercitar foram significativos: apresentaram melhora na pontuação do FIQ (Fibromyalgia Impact Questionnaire) que avaliou a qualidade de vida, na classificação de intensidade da dor e no teste de caminhada de 6 minutos que verificou a função desses pacientes. O ponto mais interessante do estudo é que os indivíduos que receberam a intervenção da entrevista motivacional, mantiveram-se mais ativos e com menos queixas relacionadas a dor, inclusive, no período de 3 e 6 meses após o término do estudo.

A terapia de exercícios deve ser sempre individualizada, levando-se em considerações as limitações e as queixas e deve focar na prevenção de recidivas.

É muito importante intervir e tentar todas as possibilidades para melhorar a qualidade de vida desses pacientes, pois a fibromialgia afeta, em alguns casos, o desempenho profissional e o relacionamento social e familiar.

Diversos fatores como traumas físicos ou emocionais e alterações endócrinas ou hormonais podem desencadear a síndrome. E atenção, muito cuidado com fatores que confundem o diagnóstico, como artrite, lúpus eritematoso sistêmico, alterações na tireoide, síndrome de Sjogren e os quadros de LER (Lesões por Esforços Repetitivos). Como não existem exames diagnósticos específicos para identificar a fibromialgia, é importante realizar os testes sorológicos e demais exames complementares que excluam as outras possibilidades.

O diagnóstico tende a ser positivo quando o paciente relata dor difusa por pelo menos três meses, em 11 dos 18 pontos principais da avaliação clínica. Vale ressaltar que a sensibilidade e a experiência da equipe multiprofissional que avalia o caso também será fundamental para que se alcance um tratamento de sucesso.

 

Fonte: Veja