Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Política Santa Bárbara d´Oeste

Vereador Arnaldo Alves questiona Prefeitura sobre cuidados adotados para possível volta às aulas

O vereador Arnaldo Alves (PSD) protocolou, hoje (13), o Requerimento 26/2021, por meio do qual pede informações a respeito dos cuidados e medidas sanitárias adotados pela Secretaria Municipal de Educação para o possível e gradual retorno às aulas em 2021. Na propositura, o parlamentar lembra que as aulas presenciais foram suspensas em 2020, em virtude da pandemia do novo coronavírus. Ele também destaca que, neste momento, ainda não existe previsão de quando todas as atividades retornarão à normalidade, apesar do anúncio da vacinação, inicialmente para idosos e profissionais de saúde.

“Neste ano, a volta gradual ainda não é um consenso, mas a pandemia tem demonstrado que precisamos nos adaptar às novas condições sanitárias, especialmente nos ambientes públicos e com maior circulação de pessoas, para evitarmos uma nova onda de contaminação”, afirmou, ressaltando que os alunos da rede pública de ensino, mesmo que já estejam frequentando o ambiente escolar, terão de aguardar um tempo maior para o recebimento da vacina. “Por isso, é de suma importância sabermos se o Poder Executivo Municipal já está adotando medidas e planejamento que visem a uma volta gradual das aulas presenciais em 2021, com segurança e os devidos cuidados sanitários”, concluiu.

No pedido de informações, Arnaldo Alves indaga quais são os cuidados sanitários e as medidas administrativas adotadas pela Prefeitura para receber alunos, professores e demais profissionais da Educação. Ele também questiona se existe algum processo licitatório em trâmite para a compra de máscaras, álcool em gel, tendas de desinfecção, assim como copos, pratos e talheres descartáveis, além de termômetro infravermelho para aferição de temperatura e demais materiais relacionados à prevenção sanitária.

O vereador questiona, ainda, se existe alguma previsão de redução da carga horária ou da participação de grupos menores em salas de aula, assim como da criação de horários diferenciados de entrada e saída de alunos, com o intuito de evitar aglomerações. O parlamentar também pergunta se os profissionais do chamado grupo de risco irão permanecer em isolamento social até que toda população esteja imunizada ou deverão retornar às atividades presenciais. Por fim, ele questiona se há algum contrato com empresa terceirizada para a desinfecção dos ambientes escolares, conforme já realizado pela Prefeitura em outros ambientes com grande circulação de pessoas durante a pandemia.