Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Veja as 4 principais etapas de startups para conseguir investimento

Saiba como tirar sua ideia do papel e transformá-la em uma startup brasileira

 

O número de startups no Brasil passou de 13.400 negócios mapeados em 2020, de acordo com levantamentos analisados pela Revista HSM. O private equity (capital privado) é um dos fatores mais importantes para tirar uma startup do papel, mas quais são as etapas para conseguir investimento e colocar a ideia em prática?

 

Aqui, vamos falar sobre as quatro principais fases para essas empresas conseguirem investimentos em diferentes momentos, desde o início da empresa até ela virar um unicórnio (startups com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão).

 

Com o crescimento dessa modalidade no país, cada vez mais pessoas, empresas e organizações têm se interessado em investir em novas ideias. Isso porque o modelo de negócio tem um diferencial: é escalável e pode gerar um retorno altamente lucrativo do investimento no curto prazo.

 

Confira abaixo quais são as etapas para que uma startup consiga investimento para dar início ao projeto:

Pré-Seed

Essa é a primeira fase de captação de recursos de uma startup. Aqui, a empresa ainda está dando os primeiros passos, tentando viabilizar o negócio. Nessa etapa, ela ainda não gera receita, então a premissa é buscar vender a ideia para investidores.

 

Aqui, o principal meio para obter investimento é através do bootstrapping (capital próprio dos empreendedores), incubadoras e aceleradoras, que se tornam parceiras do negócio oferecendo estrutura para viabilizar o projeto.

 

As incubadoras oferecem espaço físico e consultoria financeira para ajudar na estruturação do negócio. Já as aceleradoras são programas de empresas que fazem mentoria, oferecem networking e facilitam o acesso de uma startup a investimentos em troca de porcentagem no negócio.

Seed

O Seed é a segunda etapa. Aqui, a startup busca captar investimentos para desenvolver seus produtos e ajustar os planos do negócio para dar início à operação. Os recursos também são usados para a estabilidade financeira da empresa no início de vida no mercado.

 

Nessa etapa as empresas atraem investidores que buscam diversificar sua carteira de investimentos, apostando em negócios que possam trazer um alto potencial de retorno.

 

No Seed, os investidores mais comuns são os micro ventures, investidores que aportam capital por meio de fundos de investimentos; e investidores-anjo, que são investidores mais experientes nesse mercado e, com isso, agregam conhecimento e networking ao projeto.

 

Há também a possibilidade de financiamento coletivo. Existem muitas plataformas de crowdfunding de investimentos em que é possível arrecadar recursos com o investimento de pessoas interessadas em obter uma porcentagem de participação do negócio.

Série A

Nesse estágio, a startup já tem um modelo de negócio definido, mas ainda não testado. É uma rodada de financiamento de capital de risco, afinal não há como ter certeza de que o projeto dará certo.

 

Aqui, as melhores formas de captar investimentos são por meio dos crowdfundings de investimentos e das Venture Capital (investidores de risco, que por meio de fundos investem em empresas visando o seu potencial de retorno). Nessa etapa, o investimento visa a valorização do negócio, colocando a ideia à prova no mercado.

Série B

A Série B é a última etapa de obtenção de investimentos em startups. Neste ponto, a empresa já está consolidada no mercado e busca investimentos para tornar o negócio escalável.

 

Então, os investimentos captados são utilizados para buscar novos mercados, otimizar processos operacionais e melhorar estratégias de marketing e vendas. Neste estágio, os principais investidores são as Venture Capital e os aportes podem chegar a dezenas de milhões de reais.

 

Depois destas quatro etapas, o próximo passo das startups é buscar investimentos no mercado internacional e realizar o IPO (abertura de capital do negócio na Bolsa de Valores).

 

Esse é o caminho para tirar a startup do papel, tendo não só acesso a investimentos, mas também networking, consultoria financeira e todo o gerenciamento do negócio.