Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Sem acordo, comércio de Piracicaba não abrirá no primeiro de maio

imagem ilustrativa

Diante de uma grande procura por parte principalmente de supermercados e do Shopping Center Piracicaba, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Piracicaba (Sincomerciários) chegou a propor um acordo para abertura dos estabelecimentos comerciais da cidade neste próximo sábado,  1 de maio, Dia do Trabalhador, que é feriado com pagamento de 100 reais para cada trabalhador.

 

No entanto, o presidente do Sincomerciários, Vitor Roberto, diz que o setor patronal, representado pelo Sindicato do Comércio Varejista, mais uma vez, demonstrou não ter comprometimento com o setor e se negou a fechar um acordo que contempla a assinatura da convenção coletiva da categoria, que está sendo negociada desde setembro do ano passado.

 

Para abrir o comércio neste próximo sábado, o Sincomerciário propôs que fosse pago um abono de R$ 100,00, e 120% de adicional sobre as horas trabalhadas, mais uma folga a ser dada nos próximos 60 dias. “Chegamos a abrir mão deste feriado, que é histórico para a classe trabalhadora, considerando que o comércio está voltando a funcionar depois de paralisações que tiveram que ser feitas em função da pandemia do coronavírus, assim como das proximidades do Dia das Mães, mas está faltando sensibilidade por parte do setor patronal”, enfatiza.

Segundo Vitor Roberto, o sindicato patronal queria que a abertura fosse estabelecida em um novo aditamento à antiga convenção coletiva. “Seria um quarto aditamento, que não podemos aceitar. Queremos apenas fechar a CCT garantindo o reajuste salarial de 2,94% retroativo a setembro de 2020 que foi feito em aditamento, bem como o pagamento da bonificação de R$ 210,00, e a manutenção das demais conquistas da nossa categoria. Não podemos abrir mão destes direitos históricos que precisam e devem constar da nossa convenção coletiva. Sem convenção coletiva neste primeiro de maio o comércio não poderá abrir, o que pode acontecer em todos os próximos feriados”, ressalta.

 

 

Texto de Vanderlei Zampaulo