Rotativo do cartão: mais barato e ainda (muito) caro

A taxa de juros do rotativo caiu. E continua muito cara

A mudança de regras do rotativo do cartão de crédito já se refletiu nas taxas de juros. Para quem costuma pagar o mínimo da fatura (pelo menos 15% ou mais do que foi gasto), o custo caiu de 431,1% ao ano para 296,1% ao ano. Isso significa que a taxa de juros mensal recuou, em média, de 15% para 12%.

O impacto para o consumidor é que, sim, vai pesar um pouco menos no bolso usar o rotativo a partir de agora. Mas ainda é muito caro deixar de pagar toda a fatura, mesmo com a migração compulsória para o parcelamento.

A situação continua muito pior para aqueles que ficam inadimplentes, ou seja, não conseguem quitar nem aquela fatia de 15% dos gastos. Esse grupo vai continuar pagando uma taxa ainda maior: 524,1% ao ano. Na média entre esses dois, a taxa anual também segue nas alturas: foi de 490,3% para 422,5%.

Como ficou o rotativo

Desde abril, o consumidor só pode ficar no rotativo por 30 dias. Antes, essa operação podia ser, teoricamente, repetida sem limite, o que geralmente levava o consumidor ao superendividamento. Isso porque os juros engordavam a dívida a um ritmo de 16% todos os meses (ou na casa de 500% por ano).

O consumidor precisa escolher agora entre duas opções após o período de um mês: quitar toda a dívida ou fazer o parcelamento automático da dívida. No parcelamento, os juros são mais suaves do que os do rotativo, e hoje estão em 8% ao mês ou 151% ao ano. Outra vez, vale a ressalva: ficou mais barato, mas ainda é muito caro parcelar a fatura do cartão.

É possível sair dessa situação com uma renegociação ou um novo empréstimo. Veja abaixo o que fazer.

Como pagar as dívidas no cartão

Os endividados do cartão devem, se possível, pagar todo o valor em atraso antes de pensar em outras opções. Uma dica é tentar, primeiro, uma renegociação e conseguir desconto.

Se a única saída for o parcelamento, compare essa taxa de juros com uma linha de crédito pessoal. Até mesmo em sua própria instituição financeira dá para encontrar um custo menor.

Veja uma comparação entre as taxas de juros de mercado e a cobrada pelo Just, plataforma de crédito do GuiaBolso.

 

Como voltar a usar o cartão com segurança?

O limite de crédito sofre reduções quando o crédito rotativo é usado e, posteriormente, o cliente entra no parcelado. Quando isso acontece, o ideal é interromper o uso do cartão e só retomá-lo quando as dívidas forem quitadas.

Para não repetir esse erro, use o cartão de crédito analisando o quanto pode pagar, e não com base no limite disponível no banco.

Aproveite as novas regras do cartão de crédito para quitar as suas dívidas e voltar a usá-lo, mas seja responsável. Use-o de forma planejada e moderada. Para ajudar, conte com um aplicativo de finanças pessoais e tenha maior controle sobre os seus gastos.

 

Fonte: Blog Guia Bolso

Comentários

Notícias relacionadas