Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Região

Região de Campinas apresenta recuo na transmissão de covid-19

Variação de novos casos e mortes foi negativa no Departamento Regional de Saúde de Campinas; por outro lado, óbitos subiram 20% em Campinas

O Departamento Regional de Saúde de Campinas (DRS-Campinas), que avançou à fase amarela do Plano São Paulo na última sexta-feira (5), confirmou melhora nos indicadores ao apresentar, entre os dias 31 de janeiro e 06 de fevereiro, recuo de 15,2% em novos casos de covid-19 comparando-se à semana anterior. A variação de mortes também foi negativa em 2,1%.

A situação no DRS-Campinas, que permitiu aos municípios integrantes retomar, de forma menos restritiva, o funcionamento de estabelecimentos como bares, restaurantes, academias e salões, foi semelhante na Região Metropolitana de Campinas (RMC), que retrocedeu em 22,76% e 7,7%, respectivamente, no número de casos e mortes na 5ª Semana Epidemiológica.

O município de Campinas também apresentou queda de 20% no montante de novos infectados, mas exibiu variação positiva de 20,45% nas mortes causadas pela covid-19. Foram 53 no total. Com isso, a cidade tem o maior índice de mortalidade da região: 145,5 por 100 mil habitantes, à frente de Jundiaí e Santa Bárbara D’Oeste.

A nota técnica do Observatório PUC-Campinas aponta que a redução da demanda nos serviços de pronto atendimento e centros de saúde de Campinas já indicava uma queda nos registros de casos. Apesar disso, a taxa de ocupação dos leitos de UTI segue elevada, acima dos 80%.

De acordo com o Dr. André Giglio Bueno, infectologista da PUC-Campinas, preocupa também a decisão do Estado de recuar nas medidas restritivas antes do período previsto. “Nesse contexto, é motivo de grande preocupação a disseminação pelo país de novas variantes do vírus Sars-Cov-2, potencialmente mais transmissíveis, e que podem promover uma mudança de cenário caso as medidas de proteção não sejam adotadas com rigor”, afirma o médico.

Do ponto de vista econômico, a ampliação do horário de funcionamento de estabelecimentos é um alento para os comerciantes afetados pelas medidas restritivas. No entanto, segundo análise do economista Paulo Oliveira, o relaxamento das exigências de isolamento não é suficiente para resolver os problemas econômicos potencializados pela pandemia.

Para ele, é necessário que o governo anuncie medidas de proteção da renda e do emprego até que a vacina, vista como única solução definitiva para o fim das restrições impostas às atividades econômicas, esteja disponível a toda população. “O auxílio emergencial teve papel substancial para a manutenção do consumo das famílias mais pobres e mais afetadas pela crise, e até agora não houve reativação do benefício para 2021. Sem ele, os efeitos da pandemia podem ser ainda mais devastadores para a economia brasileira e, consequentemente, para a economia regional nos próximos meses”, diz o docente extensionista.

Os dados atualizados referentes ao coronavírus nos municípios paulistas, incluindo a RMC, estão disponíveis no site do Observatório: https://observatorio.puc-campinas.edu.br/covid-19/.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.

 

Da PUC-Campinas