Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Quer aprender a investir? Tire suas dúvidas sobre os Fundos de Índice

Saiba tudo sobre os Fundos de Índice ou ETFs e entenda qual o melhor tipo para investir

Não são poucas as dúvidas de quem quer aprender a investir. A terminologia pode ser bastante complicada e confusa no início, fora o trabalho que dá entender as diferentes formas de fazer o dinheiro render! Normalmente, o que mais causa confusão são as diversas siglas envoltas nesse mundo financeiro.

 

Com o Fundo de Índice ou ETF, não é diferente. ETF não parece uma abreviação adequada para o nome, não é mesmo? Os Fundos de Índice recebem essa sigla por conta do inglês: Exchange Traded Fund. De maneira geral, os ETFs nada mais são do que fundos de investimentos que usam índices como referência.

O que são Fundos de Índice?

No Brasil e no mundo os ETFs são cotas negociadas tanto no mercado de balcão organizado quanto na Bolsa de Valores. O grande objetivo de investir nesse segmento é buscar o mesmo desempenho, tanto na performance, quanto no índice. Isso ocorre porque a carteira do investidor costuma copiar a constituição do índice.

 

De maneira global, os Fundos de Índice possuem uma boa reputação desde a sua criação, no final dos anos 1980, nos Estados Unidos. Desde então, os ETFs repercutiram mundialmente e, hoje em dia, estão em aproximadamente 60 bolsas, com mais de 4 mil listados em 51 países. Todos os Fundos de Índice juntos somam 3,3 trilhões de dólares.

 

Não é surpresa para ninguém que o próprio Estados Unidos é o maior mercado do mundo, obtendo sozinho quase 2 trilhões de dólares em ativos. Em seguida estão o Reino Unidos, a Alemanha, o Japão e a França.

 

No Brasil, o primeiro Fundo de Índice chegou em 2004 e atualmente já conta com 15 modelos de ETFs, rendendo um investimento de 4 bilhões de reais. A popularidade dos Fundos de Índice varia bastante. Os de renda variável estão no topo, compreendendo 77% dos investimentos, enquanto os de renda fixa e as commodities seguem com 15% e 4% respectivamente.

Qual a rentabilidade dos Fundos de Índice?

A rentabilidade dos ETFs é formada pela oscilação dos ativos participantes do índice ou do próprio setor representado.

 

Alguns papéis que compõem os ETFs ficam responsáveis por pagar os dividendos e, por isso, são automaticamente reinvestidos. Esses recursos que são adquiridos a partir dos dividendos podem ser aplicados para comprar novas ações, mantendo a aderência ao índice.

 

Além disso, o gestor do investimento também pode alugar parte da carteira de ações do fundo, gerando uma arrecadação extra que será convertida em favor dos investidores. Dependendo da situação, o valor pode cobrir ou superar a taxa de administração.

Quais os principais Fundos de Índice do mercado?

Em outros países, existem muitas categorias de Fundos de Índice. De maneira geral, aqui no Brasil, existem alguns tipos de Fundos de Índice no mercado: ETF de Renda Fixa, ETF de segmento e ETF de Renda Variável.

ETF de Renda Variável

Os Fundos de Índice de Renda Variável são os mais comuns e surgiram bem antes dos ETFs de Renda Fixa. Eles são os ETFs de ações, aqueles que podem ser negociados na bolsa.

 

Nessa categoria, o investidor aplica seus recursos em uma carteira de ações e aguarda os retornos correspondentes a performance do índice de ações antes das taxas e despesas.

 

Através desse indicador é possível analisar o comportamento de um grupo de ações diante de outro, ou até mesmo, de sua própria carteira. Isso é possível por conta do fato de que os índices de ações são estipulados através do cálculo de uma carteira teórica.

 

ETF de Renda Fixa

Apesar de também ser um fundo negociado em bolsa, o ETF de Renda Fixa se espelha nas alterações e rentabilidades dos índices de renda fixa antes das taxas e despesas. Dessa forma, os ETFs de Renda Fixa aceitam qualquer índice, sendo os títulos públicos e privados os mais comuns entre os investidores.

 

ETF de Segmento

Alguns Fundos de Índice existentes no mercado utilizam setores da economia como referência. Nesse caso, os ETFs são para áreas específicas, como: tecnologia, energia limpa, finanças e diversos outros.

 

A partir dessas informações iniciais é possível ter uma noção maior do que são e como se comportam os principais tipos de Fundos de Índice no Brasil. Apesar de ser pouco divulgado por aqui, é interessante para investidores brasileiros, pois tem mostrado bons resultados no índice de tamanho, liquidez e popularidade.

 

Comentários