Brasil / Mundo 

PUC-Campinas firma acordo com Centro de Intercâmbio Econômico e Comercial Brasil | China

Parceria dá suporte para futuros convênios com universidades chinesas

Representantes do Centro de Intercâmbio Econômico e Comercial Brasil | China (CIECBC) estiveram na PUC-Campinas nesta terça-feira, dia 15 de janeiro, para a assinatura de um acordo que amplia o diálogo com universidades chinesas para fins de intercâmbio, pesquisa e extensão. O acordo ocorre após o estreitamento da relação entre as instituições, que se iniciou em 2014.

Acompanhado do Reitor Prof. Dr. Germano Rigacci Júnior, o grupo percorreu as dependências da PUC-Campinas, a exemplo do que ocorreu na última visita ao Campus I, em junho de 2018. Nesta ocasião, também estiveram presentes representantes da Universidade Xiaozhuang, com a qual há o interesse de firmar um termo de cooperação no futuro.

Com o acordo, o Departamento de Relações Externas (DRE) da PUC-Campinas, que cuida dos projetos de cooperação nacional e internacional da Universidade, ganha um apoio importante para a consolidação de parcerias com renomadas Instituições de Ensino Superior da China. No momento, o DRE possui 100 convênios em diferentes países do mundo, oferecendo diversos Programas de intercâmbio.

“Na dimensão do plano estratégico, há um eixo sobre a internacionalização da Universidade. O encontro consolida as primeiras tratativas para que esse processo ganhe efetividade, tornando a troca de conhecimentos benéfica para os estudos dos nossos alunos e docentes”, destacou o Reitor da PUC-Campinas.

“A gente está muito otimista com a celebração desse acordo, porque entende que ele fomenta as ações de internacionalização, que é o momento das instituições de ensino, não só no Brasil como no mundo todo”, afirmou a coordenadora do DRE, Profa. Me. Silvia Regina Machado.

Já a gerente administrativa do CIECBC, Jeni Ting, enxerga a parceria como uma oportunidade de alunos brasileiros e chineses interagirem, trocarem ideias, culturas e conhecimentos. “É muito importante para que se tornem, no futuro, jovens executivos preparados para o mundo globalizado”, concluiu.

 

Comentários

Leia também...