Prefeitura responde a Dr. José, mas não informa demanda por ressonância magnética

Em resposta ao requerimento do vereador José Antônio Ferreira, o Dr. José (PSDB), acerca da realização de exames de ressonância magnética no município de Santa Bárbara d’Oeste, a Administração Municipal informou que os agendamentos dos procedimentos são feitos pela Central de Regulação Municipal e ocorrem conforme as solicitações médicas, distribuídos dentro do total de vagas mensais.

Questionado a respeito do número de pacientes na fila por ressonância magnética até agosto deste ano, o Executivo não respondeu, acrescentando que para a realização dos exames são levados em conta os critérios de prioridade clínica, programação de intervenção cirúrgica, tempo de espera e programação de retorno com o médico que solicitou o exame. O documento encaminhado pela Administração informa também que esse processo é revisto mensalmente pelo médico regulador municipal.

Ainda na resposta, a Prefeitura informou que são exames de alta complexidade nas referências SUS (Sistema Único de Saúde), portanto, de responsabilidade do Estado. “Dessa forma, as vagas são distribuídas por cotas, as quais variam de acordo com disponibilidade do serviço e os exames são realizados em municípios que integram a DRVII, em sua maioria no HES – Hospital Estadual de Sumaré, Unicamp, Boldrini, entre outros em Campinas”, afirmou Rodrigo Maiello, secretário de Governo.

Indagada sobre a realização dos exames em clínicas particulares, número de exames contratados e o valor unitário, a Prefeitura afirmou que “em que pese o referido exame ser atribuição do Estado, por se tratar de alta complexidade, após a implantação do programa Zera Fila, a municipalidade contratou a realização do referido exame junto a Santa Casa de Misericórdia de Santa Bárbara, o qual foi instrumentalizado mediante convênio, com valor unitário de R$ 500”.

O vereador Dr. José fez o questionamento depois de ter sido procurado por munícipes que reclamam da demora em agendar os exames de ressonância magnética. “Infelizmente, a Prefeitura omitiu um dado importante que é a demanda existente na Rede Municipal de Saúde, mas vou reapresentar o requerimento solicitando a quantidade de pacientes que aguardam na fila de espera por esse tipo de exame na cidade e o número de exames disponível mensalmente à população, independente se é ou não atribuição do Estado”, afirmou o parlamentar.

Comentários

Notícias relacionadas