Piracicaba: Greve dos trabalhadores das usinas continuam


Trabalhadores da Costa Pinto rejeitam proposta de usineiros e deflagram estado de greve

Trabalhadores da Costa Pinto, do Grupo Raízen, em assembleia nesta manhã de segunda-feira, 22 de junho, rejeitaram proposta dos usineiros para celebração de acordo da campanha salarial deste ano e também deflagraram estado de greve. Na semana passada, trabalhadores das cidades de Jaú e Barra Bonita, também do Grupo Raízem, rejeitaram a proposta de acordo e defenderam a deflagração de greve para pressionar os usineiros a melhorarem a proposta de reajuste salarial para celebração do acordo da campanha deste ano.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Piracicaba e Região, Fânio Luis Gomes, com esta decisão dos trabalhadores, o comando de negociação dos trabalhadores deu prazo até sexta-feira, 26 de junho, para que o Grupo Raízen reabra negociação da campanha salarial. “Caso isso não ocorra, a greve será deflagrada, uma vez que os trabalhadores rejeitaram por unanimidade a proposta de acordo salarial”, ressalta.

Os usineiros propuseram 3% de reajuste salarial em primeiro de julho, mais 3% em novembro e abono de R$ 600,00. A categoria, que tem data-base em primeiro de maio e soma cerca de 150 mil no Estado e aproximadamente 2.500 na base do sindicato local, reivindica a reposição da inflação dos últimos 12 meses, que foi de 8,34%, além de aumento real e melhorias nas cláusulas sociais.

Nesta terça-feira, 23 de junho, os trabalhadores de usinas da cidade de Limeira serão ouvidos, também em assembleia, sobre a proposta dos usineiros. “Nestas assembleias, além de expor aos trabalhadores a contraproposta dos usineiros, também estamos aproveitando para mobilizar a categoria para a greve, mostrando que este é o único caminho que nos restará caso os usineiros não reabram negociação”, destaca Fânio.

 

Assessoria

Comentários

Notícias relacionadas