Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

O “tiro no pé” do jornalismo não foi a política

O jornalismo vive a era do meme. O grande problema é que tal conduta está levando a categoria ao declínio, observa o PhD, neurocientista e jornalista Fabiano de Abreu.

 

O jornalismo está vivendo a era do meme e “dando moral” aos influenciadores e YouTubers, e pode estar “cavando a própria sepultura” por causa disso. A falta de verba para os jornais, dá-se, em primeiro lugar, pela preferência do patrocinador ao influenciador digital, por ter um público direcionado e fiel.

 

Mas, quem constrói o influenciador senão a própria Imprensa que se rendeu a eles? Inclusive as emissoras de televisões estão visando mais ao número de seguidores do que o talento. Dado o momento de crise que a sociedade brasileira e o mundo estão passando, hoje em dia há menos profissionais nas redações. E a tendência, infelizmente, não traz nada de animador a este cenário, como bem destaca o PhD, neurocientista e jornalista Fabiano de Abreu.

 

Como assessor, ele lançou mais de mil personagens na Imprensa nos últimos 10 anos, e observa que a questão não é política, mas sim o avanço da mídia social, que revela nova forma de os patrocinadores investirem em comunicação: “As marcas preferem investir em um usuário de uma rede social que seja mais direcionado ao seu público, pois é algo mais palpável e atinge mais facilmente aquele nicho desejado, além de ser mais barato”, explica.

 

E qual é a relação disso com a imprensa? Para Fabiano, a questão é que essa tendência carrega uma responsabilidade grande dos próprios jornalistas: “A própria Imprensa passou a divulgar esses personagens, dando espaço aos YouTubers e influenciadores digitais de diversas idades, estilos e conteúdos diferentes”. Com essa conduta, Abreu acredita que a Imprensa esteja cometendo um grande equívoco: “Ao aumentar a visibilidade dessas pessoas, mais os patrocinadores vão tomar conhecimento deles, além de dar mais importância ao personagem, atraindo mais seguidores.

 

Assim, eles se tornarão cada vez mais conhecidos e serão procurados por esses investidores para receber propostas de patrocínio. Esta autonomia dará um poder a eles, que não criam vínculos com emissoras nem jornais, e, caso aconteça, é temporário e a empresa de comunicação torna-se refém. O dinheiro que iria para os veículos de comunicação vai cair na mão deles. E o jornalismo ficará sem este aporte financeiro, o que trará mais problemas para as redações, que tanto enfatizaram esses personagens”, completa.

Fabiano de Abreu

Fabiano comenta sobre a falta de criatividade nas redações, repetindo temas como se fossem “memes de destaque”, copiando a mídia social. “A Imprensa cria seus próprios memes ao reportar a mesma coisa, mas satura e todos os veículos fazem a mesma coisa, afugentando assim o leitor que acaba avaliando a Imprensa como conteúdo banal.

 

Psicologicamente, a repetição cria rejeição, e o novo faz parte do instinto humano pela liberação da dopamina. Tudo é descartável. Música, notícia, meme, tudo passa rápido e exige cada vez mais tempo do jornalista, que acaba produzindo um conteúdo sem qualidade. Eu acredito que o jornalismo deva construir conteúdos.”

 

E qual seria a solução, pergunto ao Fabiano, que também é CEO da MF Press Global. “Hoje em dia o jornal precisa ser um 360, ter texto, áudio-vídeo e mídia social. Tem de estar em todas as plataformas e criar seus próprios memes e matérias interessantes de acordo com o tipo de público que quer atingir. Tem de utilizar de regras de engajamento e uma ótima empresa de marketing digital especializada pode trazer um bom resultado. Vejo muitas emissoras que não fazem um terço do que muitos YouTubers fazem.

 

Para finalizar, Fabiano diz que o problema da Imprensa não é o momento político que vivemos, que já existia muito antes: “A questão política só acentuou e fracionou. A Imprensa já sofria com as redes sociais e as emissoras com o YouTube e Netflix. Mas falta união das emissoras e falta também estratégia dos sites de notícias para não apenas visar à audiência do momento, mas ter uma visão de futuro.”

 

 

Divulgação / MF Press Global

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Portal SB24Horas