Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

O que é o negacionismo na visão da ciência

Negacionismo e dopamina: Neurocientista Fabiano de Abreu revela como o sentimento “da moda” é explicado por uma mudança nas funções cognitivas e vicia as pessoas em busca de autoafirmação.

 

A palavra “negacionismo” está na boca do povo. Amplamente comentada, a expressão tem sido usada para destacar a posição de algumas pessoas a respeito da pandemia que o mundo vive há pouco mais de um ano. Mas, qual é o real sentido do vocábulo para a ciência?

 

Se por um lado a expressão está cada vez mais empregada pelas pessoas, por outro é importante compreender como ela se aplica no corpo humano e seus efeitos, revela o PhD, neurocientista, neuropsicólogo e biólogo Fabiano de Abreu: “O negacionismo libera a dopamina, o hormônio da recompensa. Quando a pessoa defende aquele argumento, ela quer demonstrar a todo custo que possui razão, e por isso quando ela é liberada pelo cérebro, a pessoa passa a ter sensações de felicidade, alegria e bem estar. Além do desejo de defender seu argumento, ela também passa a se nutrir daquele sentimento positivo”.

Fabiano de Abreu

É o que explica, por exemplo, a atitude de alguns negacionistas na internet: “Quando elas estão em baixa, precisam encontrar métodos para levantar sua moral e esse meio virtual é deles. Afinal, ao atacar os outros e buscar, ainda que de forma negativa, uma maneira de sobressair e colocar o seu nome em evidência”.

 

E o negacionismo, nesses casos, está plenamente ligado à necessidade de ser visto, observa Abreu: “Quando você nega algo e expõe isso, você está também diante de um caso de narcisismo. A dopamina nesses casos acaba sendo liberada, pois você quer provar ter razão naquele argumento. E esse hormônio é viciante, daí você terá necessidade cada vez maior de nutrir dele. Ao defender seu argumento na internet, você coloca para todos seu lado narcisista. E, enquanto isso a dopamina liberada vai te ajudar a sair das situações negativas que você estava vivendo”, completa.