O melhor amigo do PM

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Depois de treinados, cães são fundamentais na procura por suspeitos, armas e drogas graças a olfato 40% superior ao dos homens

Brutos ajudou a colocar muitos traficantes e assaltantes na cadeia. O pastor alemão de seis anos, um dos mais experientes cachorros da Polícia Militar, é especialista em identificar drogas e armas escondidas por criminosos nos mais inusitados locais. O animal integra um time formado por 56 cães do Batalhão de Policiamento com Cães (BPCães) — unidade da corporação situada no Setor Policial Sul.

Considerado veterano, Brutos participou de incontáveis missões, e em menos de dois anos deve se aposentar. Os cães da tropa deixam de ser empregados em operações, em média, aos oito anos. “Não significa que ele está cansado e inválido, mas, pelos bons serviços prestados, consideramos que eles devem se aposentar com saúde e disposição”, explica o chefe da seção operacional do batalhão, tenente André Hideki.

Fundamentais em ações policiais, os cachorros da PM são capazes de substituir até 20 policiais na procura por suspeitos, armas e substâncias ilícitas, graças ao olfato 40% superior ao do homem. “Dificilmente o policial consegue encontrar uma pequena porção de maconha escondida dentro da porta de um veículo”, compara Hideki. “O cachorro a localiza em poucos segundos.”

Os cães da Polícia Militar são estimulados antes do nascimento. Adestradores do batalhão fazem massagem na barriga da cadela prenha para aguçar os sentidos dos filhotes. Após um período de convivência com a mãe e com outros cães, eles iniciam o treinamento — atravessar rios, correr sobre pisos irregulares e se familiarizar com sons de bombas, tiros, carros, helicópteros.

Características
Os policiais identificam as principais qualidades de cada animal durante os exercícios. Os de detecção são usados para encontrar entorpecentes, armas e explosivos. Devem ter bom preparo físico e perseverança para achar o que procuram.

Os cachorros de captura, mais robustos e de temperamento forte, auxiliam na detenção e na imobilização de bandidos armados. Pelo porte físico avantajado, também costumam ser vistos em protestos. “Em muitas ocasiões, as pessoas evitam o embate com a PM só pelo impacto da presença de um cachorro forte”, diz o oficial.

O trabalho dos 96 policiais que integram o batalhão é reconhecido internacionalmente. No ano passado, oficiais e praças da unidade ministraram cursos na Associação Canadense de Explosivos. Em 2013, numa competição em São Paulo entre batalhões de cães de polícias de todo país, o BPCães de Brasília foi considerado o melhor.

Desde 1999 no BPCães, o cabo Flávio Silva ressalta a importância da presença dos animais. “Eles são a linha de frente e evitam a exposição do policial; além de otimizar o trabalho, passam confiança ao militar”, reconhece o praça, adestrador da cadela Chica, de seis anos, que já tem um lar garantido ao se aposentar. “O vínculo é muito forte, vou levá-la pra casa”, planeja Flávio.

Adestramento


No Corpo de Bombeiros, os cachorros são utilizados principalmente para auxiliar nas atividades de busca por desaparecidos em bosques ou desabamentos. “Durante uma procura na mata, por exemplo, o trabalho feito em 30 minutos por um cão equivale ao mesmo serviço realizado durante uma hora por 20 homens”, compara o sargento Elias Souza.

O canil do Corpo de Bombeiros do DF funciona desde 1992 no Grupamento de Buscas e Salvamento, localizado no Setor de Clubes Norte. Lá, os animais, considerados verdadeiros colegas de trabalho dos militares, recebem treinamento intensivo — aprendizado de comandos, simulações em escombros e natação —, além de atividades ao ar livre. “A partir dos 45 dias, começamos a aplicar os primeiros exercícios com o filhote.

O adestramento completo dura aproximadamente um ano. A partir daí, ele está apto para iniciar os trabalhos ao lado de um militar”, diz o sargento, lembrando que, apesar da importância da função exercida pelo animal, tudo é considerado uma grande brincadeira pelo farejador.

Os adestradores associam o brinquedo preferido do cão ao cheiro de objetos, pessoas, armas e substâncias ilícitas. “Quando o cachorro está em operação,o ele se esforça na localização de pessoas desaparecidas para, no fim, ter uma recompensa, que é um brinquedo ou mesmo o carinho feito pelos bombeiros”, explica o sargento.

Resgaste
Pelo faro apurado, o labrador é a raça preferida dos bombeiros, que contam atualmente com dez animais capacitados para ajudar durante as ocorrências no DF e em outros estados. Entre os cães, Pluto, de oito anos, destaca-se pela experiência: “Ele foi utilizado durante o desastre de Teresópolis (deslizamento de terras que resultou na morte de aproximadamente mil pessoas na região serrana do Rio de Janeiro, em 2011) e conseguiu encontrar 60 corpos”, informa o sargento Souza.

Após contribuir para a corporação, o animal é aposentado para que possa aproveitar os últimos anos de vida com qualidade e saúde. “O labrador consegue atuar uns oito anos e viver até os 12, que é a média de idade da raça”, esclarece o militar.

Assim como no caso da PM, os cães têm uma relação próxima com os bombeiros. Quando chega a hora de pendurar a coleira, eles acabam sendo adotados pelos profissionais que os adestraram. “O contato é muito forte, e assim os animais ficam ligados ao Corpo de Bombeiros pelo resto da vida.”

Agência Brasília de Notícias

Comentários

Notícias relacionadas