Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

O Brasil pode congelar os preços como fez a Argentina?

Para economista da ESPM, isso é quase impossível, devido aos traumas vividos pelo país na década de 80

O congelamento de preços na Argentina, anunciado na última quarta-feira, 13, e adotado como um “remédio” contra a escalada da inflação, é uma situação isolada, segundo Cristina Helena Pinto de Mello, economista da ESPM. 

Para a economista, esse tipo de medida encontraria muita resistência no país, sobretudo devido aos traumas gerados por ações parecidas durante a década de 80. “A história mostra que o congelamento de preços, com a interferência nas regras do mercado e na precificação de produtos e serviços, não funciona. Esse tipo de medida até controla os preços, mas por um período muito curto de tempo. Pela experiência passada no Brasil, isso deve ser fortemente evitado”, diz. 

Apesar de acreditar que o Brasil não corre o risco de um congelamento, Cristina alerta que, pela proximidade e importância da Argentina como parceira comercial, as medidas tomadas pelo governo de Alberto Fernández podem afetar a economia brasileira. “Um exemplo, seria um possível aceleramento da precificação por conta do receio de congelamento”, afirma. 

Sobre a ESPM

A ESPM é uma escola de negócios inovadora, referência brasileira no ensino superior nas áreas de Comunicação, Marketing, Consumo, Administração e Economia Criativa. Seus 12 600 alunos dos cursos de graduação e de pós-graduação e mais de 1 100 funcionários estão distribuídos em cinco campi – dois em São Paulo, um no Rio de Janeiro, um em Porto Alegre e um em Florianópolis. O lifelong learning, aprendizagem ao longo da vida profissional, o ensino de excelência e o foco no mercado são as bases da ESPM.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Portal SB24Horas