fbpx

Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Mulheres barbarenses lutam por mais participação na política

Se ouve muito falar hoje em dia que, “mulher pode ser o que ela quiser!”.

Segundo o IBGE, as mulheres formam a maioria da população brasileira, com 51,5% da população total, entretanto, estes números estão longe de refletir a realidade na política.

Vemos um cenário hoje em que muitas mulheres estão buscando mais pelos seus direitos e sendo mais participativas na sociedade e na política. Muitas com opiniões diferentes, mas que seguem num mesmo pensamento: “a mulher pode ser o que ela quiser!“.

Para a Bioquímica e Paisagista Valéria Colombi do PSDB, as mulheres precisam ser mais atuantes. “Eu sou a favor das mulheres ter mais participação na política. Nós mulheres precisamos ser mais atuantes, problema é o espaço que não nos é dado. Precisamos quebrar esse paradigma, buscar nosso espaço! Lembro que tempos atrás as mulheres não podiam nem ser candidata, as mulheres não tinham direito a votar, já avançamos muito, mas ainda falta bastante!”, comenta Valéria.

Segundo o TSE, após as últimas eleições em 2016, as câmaras municipais de todo o Brasil passaram a contar com quase 57 mil vereadores contra cerca de 8 mil vereadoras, o que representa apenas 12% de mulheres nas casas legislativas das cidades.

Santa Bárbara d’Oeste hoje tem mais de 140 mil eleitores, no decorrer dos anos contou com apenas 06 mulheres eleitas para a vereança, são elas: Maria José Cavedal dos Santos Mano foi a primeira mulher eleita vereadora no período de 1983 à 1988 e eleita pela segunda vez no período de 2005 à 2008; Antonia de Fátima Ferreira eleita em 1989 até 1992 e foi reeleita para o período de 1993 à 1996; Arminda Maria da Silva eleita no período de 1989 à 1992; Regina Helena de Moraes Rego no período de 1997 à 2000; Sueli Terezinha Bonfim Silva no período de 1997 à 2000; e após um longo período, a advogada Germina Dottori foi eleita nas eleições de 2016 com 931 votos para o período de 2017 à 2020.

Germina Dottori, que é do partido Podemos, neste período de vereança exerceu um papel importante na luta em defesa dos direitos da mulher. Para ela, o bem estar da mulher e da família é essencial.

“Muito embora no espaço político, há o pensamento e o hábito de que este espaço é eminentemente masculino.
Na política, a maioria das pessoas pensa que o espaço é predominantemente masculino. Todavia, as mulheres, a todo momento, no seu dia a dia estão reivindicando coisas e direitos, tanto a favor de si, dos filhos e da família; e isso já é um forma de política. Então, porque não atuar como política na vereança?
A crença de que o espaço político é somente de homens, é equivocada, pois o olhar da mulher é diferente dos homens e juntos formam um “casamento” perfeito na política. E esta junção nas decisões do legislativo, pode ser mais acertada, porque um completa o outro. A maneira da mulher pensar e a do homem são diferentes, por isso, a união deste pensar será mais acertado, porque há as duas visões juntas”, completa Germina.

Para Sandra Santos Maia, artesã e filiada no PRTB, as mulheres estão lutando mais para entrar na política por ter força de vontade em mostrar soluções nos problemas cotidianos do dia a dia. “Nós não temos medo de mostrar a verdade para a população. E quando estamos convictas de que aquele problema tem uma saída lutamos até o fim. Garra e coragem a maioria delas tem e por esse motivo muitas estão querendo entrar e fazer a diferença”.

Para Helena Gomes do AVANTE, é de extrema importância a participação das mulheres na política.

“A mulher tem uma voz mais ativa, é mais firme e passa mais confiança no que ela fala. As mulheres na política  procuram lutar à favor das mulheres e da sociedade, fazendo leis e projetos relacionados à família. A mulher tem o lado da emoção, de mãe, de mulher e cada uma tem uma experiência e quando uma mulher entra na política ela muda a mulher e quando todas entram, elas mudam a política. Eu torço para que muitas mulheres sejam eleitas nessa eleição de 2020”, comenta Helena.

O número baixíssimo de vereadoras no país destaca não só a desigualdade muito preocupante existente no Brasil, como também mostra que são os homens que tomam decisões e criam leis que são de interesse das mulheres.

Na opinião do Jornalista e atual Presidente do Partido AVANTE em Santa Bárbara d’Oeste, Dennis Moraes, ele acredita que essa eleição será a libertação das mulheres que querem e que desejam entrar de vez nesse mundo político.

“É visível que quando uma mulher entra na política, o ambiente se torna mais respeitoso e harmonioso, além de aumentar o índice de acertos quando o assunto é fiscalização e projetos. Sou um defensor das mulheres na política e sonho para que um dia eu possa ver a câmara recheada de mulheres na vereança. Precisamos muito que isso aconteça em breve e creio que o despertar será nessa eleição”, finaliza Dennis.

Estamos vivenciando uma situação muito delicada com a pandemia este ano de 2020, que afetou não só o Brasil mas o mundo todo. Mas nós mulheres não podemos parar de lutar pelos nossos direitos como mulheres e como cidadãs, sendo na política ou não a mulher tem o direito de ser o que ela quiser e estar onde ela quiser.

“Se você quiser algo na vida, precisa fazer uma coisa: nunca tenha medo!”

Por Maira Scavacini

 

Comentários