24horas Artigos / Opinião 

Manifestação no Chile coloca em cheque o ultraliberalismo

Por Cassio Faeddo

Metrô é item importante no modal de transporte de Santiago.

Sabe-se que o Chile desde o governo Pinochet passou a implementar uma agenda de reformas nos moldes do ultraliberalismo.
Essa agenda de reformas levou o país ao centro do interesse do mercado financista, mas, por outro lado, é comum observarmos em Santiago idosos como caixas de supermercados, atendentes e em outras funções de entrada no mercado de trabalho destinadas aos jovens.

O aumento das passagens de metrô ao equivalente a R$4,80 deflagrou uma onda de protestos. Provocou também declaração de estado de emergência pelo presidente Piñera. O metrô é item importante no modal de transporte de Santiago.

No Peru a maioria fujimorista colocou em cheque as instituições da república. Tudo motivado por uma intensa luta com fundo político e partidário. Liberalismo nos moldes sul-americanos contra populistas de esquerda.

No Equador uma revolta indígena fez o governo recuar no aumento de cerca de 100% nos preços dos combustíveis.

Na Argentina vitória eminente do Kirchnerismo e mais um calote argentino em razão em razão da histórica baixa nas reservas cambiais.

Tudo envolto pelo descuido social de todos esses países e reformas que atingem exatamente as classes com menos recursos. Aqueles que deveriam alçar a classe média e empurrar o crescimento dos países.

E o Brasil não foge à esse cardápio indigesto.

A América do Sul ainda não conseguiu implementar um programa realmente liberal, mas com respeito também aos direitos sociais e com redução do buraco negro da máquina administrativa.

Comum a todos esses países um baixo nível educacional, de educação financeira e democracia débil que flerta com autoritarismo a todo momento, além da alta criminalidade, dentre outros motivos para crises.

Ocorre que há na América do Sul a eterna confusão entre público e privado, políticos populistas e uma burocracia que requer gastos de corte imperial.

Palácios de governo, de Justiça, serviçais, lagosta, presunto de parma, prédios públicos inacessíveis ao povo, carros oficiais, viagens desnecessárias etc.

Aí reside a maldição do subdesenvolvimento sul-americano.

Sobre Cassio Faeddo: Advogado. Mestre em Direitos Fundamentais. MBA em Relações Internacionais. Autor da obra “Erradicação do Trabalho Infantil”, Editora Lesto, São Paulo.

Comentários

Notícias relacionadas