Gustavo Nénão conquista mais um continente

O grafiteiro ultrapassa mais uma fronteira e mostra que, além de decorar, a arte é um instrumento de reflexão e pode servir para a construção de um futuro melhor

Deixar um legado ou sua marca registrada com seus trabalhos é sempre gratificante. É esse o sentimento do grafiteiro Gustavo Nénão ao retornar da África do Sul, por onde passou nas últimas semanas, para realizar trabalhos em parceria com a ONG Fraternidade sem Fronteiras. O artista deixou sua marca nas aldeias de Muzumuia e Barragem e também conduziu oficinas de arte com crianças do local. Esse é o quarto continente por onde Nénão teve a oportunidade de deixar seus grafittis.

 

As crianças assistidas pela ONG acompanharam todo o processo de criação. Além dos desenhos, que remetem à alegria e às cores apresentadas pelos ideais da organização, as oficinas ajudaram a inserir os jovens no contexto artístico, por meio do graffiti. “Durante as aulas eu sempre levantava questões que os fizessem refletir e se interessar pelo conteúdo, fazendo conexões com a imagem de um futuro melhor e valores de cada um. Isso gerava uma dinâmica muito boa entre a gente”, conta o grafiteiro.

“Tenho certeza que isso despertou algo diferente neles e os fez entender a força da criatividade. Todo dia, após as aulas, eles me faziam perguntas e pediam fotos dos meus trabalhos. Em poucos dias já se podia notar uma diferença muito grande no comportamento e na projeção que eles faziam, sobre eles mesmos e o futuro. Foi uma experiência enriquecedora”, completa.

Antes de chegar à África, o artista passou mais uma vez pela Europa, onde foi convidado para produzir uma série de trabalhos em uma galeria de street art em Barcelona. Em outubro, ele volta à cidade para expor mais de suas obras.

Sobre o artista

Formado em Publicidade e Propaganda pela PUC – Campinas, Gustavo ‘Nénão’ desenvolve trabalhos com graffiti desde 1994. A partir de um hobby, sua carreira profissional teve início em 2003 e, desde então, já fez projetos para grandes marcas, além de países como Chile, Bolívia, Argentina, Espanha, Holanda, Bélgica, França, Inglaterra, Portugal, Itália e USA que se renderam aos seus traços e cores. Embaixador da Casa Ronald McDonald, suas obras contribuem com a arrecadação de recursos para a instituição, que hospeda crianças e acompanhantes durante o tratamento contra o câncer.

Comentários

Notícias relacionadas