Festas de fim de ano: empresas e profissionais precisam tomar alguns cuidados

Especialista dá dicas de comportamento para evitar gafes nas confraternizações corporativas

 

ELINE OKUm dos momentos corporativos mais aguardados nesta época do ano – além do 13º salário – é a festa de confraternização da empresa. De acordo com a professora de Gestão de Pessoas na IBE-FGV, Eline Rasera, este evento é importante e esperado por ser o momento em que as pessoas se unem com trocas emocionais de alegria e felicitações. “Em geral, se estabelece um sentimento de bem estar e também funciona como reconhecimento ao empregado pela dedicação à empresa”, explica a professora.

 

Para ela, participar da confraternização é mostrar seu comprometimento com a organização e com a equipe. Mas a festa não deve ser confundida com uma balada ou evento familiar, trata-se de um momento descontraído, mas ainda assim corporativo. “Por isso, a dica de ouro é: evite excessos de todos os tipos, do vestuário ao comportamento”, ensina.

 

O presidente da IBE-FGV, Heliomar Quaresma, acredita que eventos como as confraternizações são fundamentais para o reforço dos valores institucionais e para o reconhecimento dos colaboradores, por isso devem ser preparados com foco na excelência. “Nosso departamento de eventos e RH se esforçam para criar um ambiente de interação sempre inovador, que conta com a participação e escolha dos colaboradores. A festa é feita para eles e com eles”, conta.

 

“Além da comemoração, aproveitamos o evento para reforçar os laços e valores que nos unem em torno de um objetivo comum: nossa missão. Nestes momentos, celebramos as conquistas e aprendemos com os desafios do ano que passou, porém o clima é leve e descontraído”, conclui Quaresma.

 

Na IBE-FGV, o planejamento da festa de fim de ano começou ainda em agosto. Foram várias etapas, como escolha da data, pesquisa de locais que atendam às necessidades e tamanho do público. Depois, ainda foi preciso orçar buffet, decoração, música e enfim definir o tema da festa.

 

Durante

 

Para a hora da confraternização, a professora Eline Rasera dá alguns toques para os funcionários aproveitarem o momento sem estragarem a reputação profissional.  “Evidentemente que a ocasião pede uma roupa especial, porém sem exageros, ou seja, decotes, transparências e roupas curtas, estão fora de cogitação. É bom lembrar que o chique é simples”, orienta.

 

Além disso, todos os tipos de excessos podem fazer mal à imagem profissional. Beber exageradamente, assédios, brincadeiras inadequadas, falar mal das pessoas ou qualquer tipo de ação demasiada comprometem e muito. Eline parte do princípio da educação e bom senso para qualquer ocasião. “Apesar de ser uma festa, valem as mesmas regras da empresa. O colaborador deve aproveitar, confraternizar com os colegas do trabalho, mas ser elegante sempre”.

 

5 dicas para não se ‘queimar’ na festa da empresa:

 

– Evite decotes, transparências, roupas muito curtas ou cavadas;

– Seja cordial e demonstre entusiasmo, mas evite brincadeiras de mau gosto;

– Não fale mal de colegas;

– Beba moderadamente;

– Evite excessos.

Comentários

Notícias relacionadas