fbpx

Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Variedades

ETFs: A importância delas na sua carteira de investimento

Os fundos de índice, popularmente conhecidos como ETFs, viraram opção para diversificar os investimentos na Bolsa de Valores. Bons ETFs como o IVVB11, o BOVA11 e o BRAX11. Aqui vamos mostrar os motivos pelos quais estes fundos estão chamando tanto a atenção de novos investidores.

Apostar nos ETFs é uma boa solução para diversificar a carteira de investimentos a baixo custo. No mercado de ações, essas oportunidades são raras, então aproveitar os ETFs são uma maneira de diminuir os riscos e de começar a investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro.

O que é um ETF?

Um ETF (Exchange Traded Funds), sigla que em português significa Fundos negociados na Bolsa são fundos de investimentos. Neles, vários investidores se reúnem e aportam capital em conjunto. Porém, o ETF não se caracteriza como um fundo de investimento tradicional, ele possui algumas peculiaridades que o diferenciam.

Diferente de outros fundos de investimentos, os ETFs são atrelados a índices de referência. Em um ETF ligado a Ibovespa, por exemplo, os gestores do fundo vão buscar utilizar os recursos dos investidores para comprar ações incluídas no índice, numa mesma proporção.

As cotas de fundos de investimentos são negociadas na Bolsa de Valores como se fossem ações. Assim, elas oscilam de acordo com a oferta e a demanda do mercado. Os ETFs já existem a bastante tempo e são muito populares entre os investidores estrangeiros.

No Brasil, apesar de terem sido regulamentados em 2002, as ETFs só se popularizaram no Brasil nos últimos anos. Nos últimos anos, o volume das negociações de ETFs no país vem aumentando. Em 2018, a média diária era de cerca de R$ 432 milhões e nos primeiros dois meses de 2020, a média diária alcançou R$ 1,5 bilhão.

Principais ETFs do Mercado

Entre os ETFs listados na Bolsa de Valores brasileira, existem algumas boas oportunidades de negócios. Falaremos sobre os ETFs negociados no mercado brasileiro abaixo:

DIVO11

O DIVO11 é um ETF atrelado ao índice IDIV. Esse índice é formado pelas empresas que fizeram os maiores pagamentos de dividendos na Bolsa nos últimos dois anos. Esse fundo é composto, principalmente por ações de empresas do setor financeiro, de telecomunicações e serviços públicos.

BOVA11

O BOVA11 é um ETF atrelado ao Ibovespa, principal índice de ações da B3 (bolsa de valores brasileira). Esse fundo é composto por ações de empresas que correspondem a cerca de 80% do volume de negociações na Bolsa.

A composição desse ETF é atualizada a cada quatro meses, é feita pelo Citibank com gestão da BlackRock, maior gestora de ativos do mundo. O índice é altamente rentável e cobra uma taxa de administração de 0,54% ao ano.

IVVB11

Diferente da maioria dos ETFs negociados no mercado brasileiro, o IVVB11 não está atrelado a índices nacionais, ele está ligado ao índice americano S&P 500, que compõe ações das 500 maiores empresas do Estados Unidos.

Assim, o IVVB11 tem uma rentabilidade referente a performance do índice S&P 500 em relação ao real. No fundo, estão incluídas ações das maiores empresas do mundo como o Facebook, a Amazon, a Apple e o Google. A administração também é feita pelo Citibank com gestão da BlackRock. A taxa de administração é de 0,24% ao ano.

Principais pontos sobre os investimentos em ETFs no Brasil

Agora que você sabe o que é um ETF e quais são os principais fundos do mercado brasileiro, é hora de entender melhor a importância desses ativos para os investidores brasileiros.

Rentabilidade

Assim como acontece com ações, a rentabilidade dos ETFs está atrelada a oscilação dos ativos do índice a qual o fundo está atrelado. Um grupo de ações que compõem um ETF ficam responsáveis pelo pagamento de dividendos. Os recursos provenientes dos dividendos são usados para comprar novas ações atreladas ao índice que rege o fundo.

Composição dos ETFs no Brasil e no Exterior

Como já falamos acima, os ETFs são, em sua maioria, são atrelados a índices do mercado nacional. Estes índices estão ligados a empresas do índice Ibovespa, de empresas boas pagadoras de dividendos ou que representam algum setor financeiro.

Assim, os fundos brasileiros são compostos apenas por ações. Já os ETFs comercializados no exterior são mais diversificados e não possuem apenas ações. Os ETFs no exterior costumam também incluir títulos públicos dos governos, crédito privado, ações da indústria, de saúde e tecnologia, além de outros ativos da Europa e da Ásia.

Resgate e criação de cotas

Os ETFs podem aumentar ou diminuir de tamanho. Os fundos ETFs são aplicações abertas, os investidores podem criar cotas quando tiverem recursos para isto. Da mesma forma, os investidores titulares podem cancelar cotas, caso queiram.

A criação e o resgate das frações do ETF são feitos em dinheiro ou por meio de ativos da carteira. Essas transações são conhecidas como in-cash e in-kind e ocorrem de acordo com regras estipuladas por cada fundo.

Comentários