24Horas Saúde

Etec recebe atividades da Semana da Alergia Alimentar

Impactos psicossociais e amparos legais foram apresentados aos alunos do curso técnico em nutrição 

 
 O segundo dia da Semana de Conscientização da Alergia Alimentar contou com duas palestras que debateram os aspectos legais e psicológicos da alergia alimentar, tanto para o alérgico quanto para a família. O evento foi realizado na Etec Coronel Fernando Febeliano da Costa na tarde da última quarta-feira (16).

Alunos dos cursos técnicos em nutrição e em química ouviram a apresentação da advogada e coordenadora do movimento Põe no Rótulo, Cecília Cury, que também foi mãe de criança alérgica — hoje curada. 

Cecília relatou sua vivência pessoal, explicou a formação do movimento que reúne mães de alérgicos e trouxe dados sobre políticas públicas e aspectos legais relacionados à inclusão das crianças com alergia alimentar. “Percebemos que primeiro precisamos sensibilizar a sociedade sobre o tema, para construirmos juntos um caminho melhor”, comenta. 

A advogada ressaltou a regulamentação da rotulagem destacada, instituída pela RDC 26/2015, da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que tem como objetivo facilitar a leitura e identificação de ingredientes alergênicos. “Foi a nossa maior conquista”, comemora. “O impacto social da alergia é indizível, ainda mais sem o acolhimento necessário pela sociedade”, complementa. 

Érika Campos, psicológa, PSI pelo Mundo Alergia Alimentar e também mãe de uma criança que já teve alergia alimentar, entrou logo depois para comentar os impactos psicossociais da alergia alimentar e reforçar a fala de Cecília. “Os desafios impostos às famílias geram grande impacto. Esse gerenciamento é complexo; envolve alteração na rotina, relações familiares e sociais”, explica.

Como pesquisa de mestrado, a psicológa entrevistou mães de crianças alérgicas até os 12 anos. O estudo mostrou, como uma das consequências, as restrições à atividades sociais. “Há dificuldade da escola e da sociedade em geral para entender essas alergias. Isso contribui para o isolamento social da família e não favorece o desenvolvimento da criança e do adolescente”, compartilha. 

Ela relata que, por medo da exposição ao risco e de possíveis reações, os pais deixam de frequentar eventos sociais e procuram evitar a participação dos filhos nestes eventos.

“Se a sociedade não está disposta a apoiar, diminui a qualidade de vida da família do alérgico. O acolhimento e a conscietização são necessários para garantir a proteção da criança”, argumenta.

Érika também destacou a implementação de práticas de prevenção para minimizar riscos e ampliar inclusão, como por exemplo organizar o momento de lanche, planejar eventos escolares pensando nas restrições alimentares dos alunos alérgicos e sempre manter o diálogo com os pais. 

Ao final das palestras, a vereadora Nancy Thame (PSDB), autora do projeto que institui a Semana, entregou um quadro alusivo em homenagem a participação das palestrantes.

Comentários
Redação
Criado e desenvolvido por Dennis Moraes, o site SB24horas surgiu em 08 de janeiro de 2013. Após um tempo na cobertura de eventos, criou o portal com o objetivo de levar a informação regional ao mundo, através da web. Atualmente o portal ultrapassou a marca de 350 mil visualizações mensais. Nossa Visão Ser reconhecida pelo maior número de pessoas e se tornar referência entre os meios de comunicação da Região Metropolitana de Campinas, com o pioneirismo da TVWeb. Nossos Valores Compromisso com a verdade; Apuração dos fatos; Compromisso com a qualidade; Transparência, integridade e idoneidade; Comportamento ético; Responsabilidade com o público;
https://sb24horas.com.br