Em meio à crise econômica, negócios em rede são alternativas mais rentáveis para empresas

As perspectivas não são animadoras para a economia brasileira antes do segundo semestre de 2105, mas estudos indicam que alianças oferecem melhor performance para empresas

 

O Banco Central surpreendeu o mercado ao elevar a Selic em 0,25 pontos percentuais, subindo para 11,25% a taxa básica dos juros no País, sob argumento de que os riscos para a inflação aumentaram. A decisão dividiu as opiniões.

Por um lado, agentes viram o aumento como sinal positivo na política econômica do governo. Por outro, especialistas defendem que a medida não é suficiente para frear a crise e vai pressionar a desvalorização da moeda, por parte das economias mais fortes como a americana.

Como alternativa à situação, a Institute Business Education-IBE propõe a InterSector Alliance, um modelo de gestão inovador em todo o mundo que promove o desenvolvimento sustentável através da aliança entre três setores: empresarial, governamental e terceiro setor.

Para o presidente da IBE-FGV, Heliomar Quaresma, no pensamento contemporâneo, as políticas públicas precisam ser geradas na ideia de sustentabilidade, que se alicerça em um pensamento sistêmico de integração do desenvolvimento econômico com justiça social, preservação e restauração ambiental, com respeito, valorização e ampliação dos bens culturais tangíveis e intangíveis das cidades e comunidades.

“Passada as eleições, cabe a nós, cidadãos, continuarmos buscando o fortalecimento da democracia e do diálogo, para que os governos junto às empresas e organizações sociais consigam avançar nos desafios a fim de que o Brasil volte a crescer e gere empregos de qualidade, melhor educação, saúde, segurança e mobilidade urbana”, defende.

 

Neste aspecto, Quaresma analisa como fundamental a participação de cada cidadão neste desafio e incentiva os empreendedores a buscarem alternativas à crise. Para lidar com as expectativas nada animadores, o InterSector Alliance propõe um modelo de consultoria organizacional, único no mundo que conta com a expertise de diversos parceiros. O objetivo é promover a aliança entre os três setores da sociedade: empresarial, governamental e terceiro setor ou das organizações sociais, resultando no desenvolvimento sustentável das organizações, regiões e pessoas.

 

O superintendente da IBE-FGV, André Palandre, explica que, na prática, o modelo funciona porque já nasce com diversos aliados e é totalmente “customizável”. “Os participantes são ajudados por consultores de diversos setores que estão aptos a analisar cada caso e propor as melhores alternativas à situação que se encontram as empresas em seus respectivos negócios”, conta.

 

O resultado é obtido por meio de uma rede de troca de conhecimentos para gerar valor compartilhado, formada por grupos de 10 a 15 empresas não concorrentes, que participam de encontros periódicos com representantes do poder público e membros de organizações sociais.  É o ambiente propício para a troca de experiências e criação de soluções inteligentes para o desenvolvimento econômico regional.

 

 

Sobre InterSector Alliance

 

O InterSector Alliance é um programa de consultoria organizacional que tem por objetivo desenvolver e implementar um modelo estratégico de gestão através de metodologias estruturadas com base nas melhores técnicas de mercado, com profissionais de comprovada competência. Além disso, proporciona uma rede de aprendizado e troca de experiências entre empresas, organizações e entidades dos três setores, visando incrementar exponencialmente os resultados globais e a competitividade. O InterSector Alliance foi idealizado pela IBE e conta com o apoio e parceria da Prefeitura de Campinas, o CIESP e instituições como CEBRAF (Confederação Brasileira de Fundações), APF (Associação Paulista de Fundações), e a Fundamig (Federação Mineira de Fundações e Associações de Direito Privado).

 

Sobre a IBE-FGV

 

A Fundação Getulio Vargas, fundada em 1944, é reconhecida como a melhor escola para preparação de executivos do Brasil. A IBE-FGV começou em 1996 e atualmente forma a maior e mais completa rede de escolas de negócio FGV no interior paulista e uma das maiores do Brasil. A IBE-FGV já formou mais de 30 mil executivos e possui unidades nas cidades de Americana, Campinas, Jundiaí, Limeira, Piracicaba e Rio Claro.

Comentários

Notícias relacionadas