Dia da Mulher: pesquisa revela o preconceito de gênero no mercado de TI

 Preconceito de gênero é percebido por 82,8% das entrevistadas

 

O mercado de trabalho, pouco a pouco, está se transformando para alcançar a igualdade de gênero. No entanto, ainda estamos muito longe de encontrar a equidade, principalmente na área de tecnologia. A fim de entender os principais desafios enfrentados pelas mulheres que atuam na área, a Yoctoo, consultoria de recrutamento especializada na seleção de profissionais de TI e digital, realizou uma pesquisa qualitativa em sua base de candidatas. O levantamento feito pela empresa ouviu as dificuldades e os anseios enfrentados por elas.

 

De acordo com a pesquisa, 82,8% das mulheres entrevistadas relata já ter vivido, ou ainda vivenciar, preconceito de gênero dentro do seu ambiente de trabalho. Já no ambiente escolar, seja universidade ou cursos de tecnologia, 61,8% das respondentes afirmam ter vivido ou vivenciar preconceito de gênero. “É um cenário preocupante, que mostra o quanto ainda estamos longe de tornar a área de tecnologia um ambiente igualitário, afirma Paulo Exel, diretor da Yoctoo.

 

Entre as entrevistadas, 91% afirma que ainda existe preconceito dentro das empresas e que elas ainda estão engatinhando no quesito implementação de políticas de diversidade e inclusão dentro de suas estruturas. Outras 72%, afirmam que o ambiente familiar não costuma incentivar meninas a gostarem de brincadeiras ou mesmo carreiras ligadas à tecnologia. “Isso ajuda a explicar o motivo de ainda vermos poucas mulheres em cursos relacionados à tecnologia ou interessadas em seguir carreira na área”, comenta. Cerca de 64% das entrevistadas acreditam que ainda é muito baixo o número de mulheres ligadas à tecnologia que servem de inspiração e espelho para as novas gerações.

 

Quando perguntadas sobre as dificuldades que enfrentam enquanto mulheres atuantes na área, 42% das participantes afirmam que o maior desafio é ter de provar a todo o tempo que são competentes tecnicamente. Em seguida, contabilizando 40% das respostas, aparece o fato de não serem respeitadas e reconhecida por pares, superiores e subordinados do gênero masculino e até por outras mulheres. Felizmente, essa pesquisa também sinalizou que 71% das entrevistadas acreditam que os ambientes empresarias estão amadurecendo e se transformando para tornar a área de tecnologia mais inclusiva para as mulheres. No entanto, elas ainda enxergam essa mudança como algo lento e gradual.

 

Questionadas sobre o que é mais urgente ser feito para que mais mulheres atuem na área de tecnologia, as opiniões são diversas. Mais de 36% acredita que precisamos incentivar desde a infância o interesse das meninas pela tecnologia, 18% defende a equiparação salarial em todos os níveis, 13% aposta na transformação do machismo estrutural na sociedade, 12% gostaria que fossem promovidos mais debates nas escolas/universidades sobre esse tema. Já 8% argumenta que é urgente a criação de políticas empresariais de diversidade e apenas 3% concordam que deveriam ser criadas políticas de cota para mulheres em cursos de tecnologia. As demais divergem sobre as abordagens e os próximos passos.

A diversidade e inclusão de mulheres, para a Yoctoo, vai muito além do combate ao machismo na sociedade. Trata-se de trazer visões diferentes e abrangentes para o desenvolvimento do mercado de TI. “Cada vez mais, vemos executivos com olhares atentos para suas equipes de TI, que são majoritariamente masculinas. A diversidade de gênero é benéfica para o ambiente, não só por agregar em termos de pontos de vistas diferentes, mas também pelos frutos que se têm ao poder contar com novas abordagens e experiências”, acredita.

 

De acordo com Exel, quanto maior a diversidade de uma equipe, melhores são as discussões e a assertividade das entregas. “Nunca se colocou tanto em evidência a importância da ‘experiência do usuário’ e isso, consequentemente, ressalta a importância de termos cada vez mais equipes diversas, uma vez que é função dos criadores/implementadores das tecnologias compreender como é estar na pele de seus usuários, que na maior parte das vezes, transitam em ambos os gêneros (homem e mulher)”. A questão da diversidade de gênero e, de tantos outros aspectos, como idade, etnia, formações, não só é uma questão competitiva, mas também necessária para a sustentabilidade das marcas num novo contexto de mundo.

 

Sobre a Yoctoo

Saiba mais: https://www.yoctoo.com/pt

Sobre Paulo Exel: é diretor de operação da Yoctoo, formado em Administração de Empresas, possui MBA executivo em Gestão de Negócios e tem certificação em coaching. Exel tem mais de 10 anos de experiência no recrutamento especializado nas áreas de Tecnologia, Digital e Vendas.

 

Comentários

Notícias relacionadas