Curta de americanenses estreia em São Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O curta metragem Papel Moeda, mais recente produção do Coletivo Estopim de Artes, de Americana, estreia nesta quarta-feira, (2/7), em São Paulo, no Museu da Imagem e do Som, MIS, às 15h. O filme terá reprise no dia 3 (quinta-feira), às 19h, no mesmo local. O apoio é da Secretaria de Cultura e Turismo de Americana.

 

O filme, com duração de 10 minutos, trata da relação humana com o dinheiro, em um mundo onde a grande maioria vive em constante batalha pela posse do “vil metal”. Os personagens pertencem a várias classes sociais, mas quase todos são idênticos quando o assunto é dinheiro. “Uma peculiaridade proposta pelo roteiro é a utilização de uma linguagem verbal não convencional, o que permite que o espectador possa elaborar suas próprias conclusões dentro do enredo”, afirmou o roteirista do curta, Osvaldo Beraldo..

 

O roteiro e a direção são de Osvaldo Beraldo, e a direção de arte e fotografia estão a cargo de Sandro Tozato. Já a montagem foi realizada no Museu da Imagem e do Som e supervisionada por Cristina Amaral, como parte do Programa de Residência Pontos MIS, que contemplou o diretor pela realização do curta metragem “O homem de fraque” em 2013.

 

No elenco, sete atores americanenses dão vida aos personagens que compõem a trama, sendo eles:

 

Antonio Carlos Duarte (Grilo)

Bruno Smaniotto

David Apolinário

Luciana Falasca

Marcelo Porqueres

Osvaldo Beraldo

Zeca Coelho

 

 

Serviço:

O Museu da Imagem e do Som fica na Av. Europa nº 158, no Jardim Europa, em São Paulo – SP.

Entrada franca.

 

 

Sobre a supervisora da montagem

Cristina Amaral iniciou sua carreira profissional em 1977 no filme Parada 88, o Limite de Alerta, de José de Anchieta. Formada em Cinema na ECA pela Universidade de São Paulo nos anos 80, Cristina Amaral foi assistente de montagem ainda durante a faculdade no curta-metragem Nós de valor, nós de fato (1985), de Denoy de Oliveira. Nos anos 80, trabalhou como montadora de filmes publicitários, em que conheceu uma de suas referências, o montador Umberto Martins. Foi premiada em 1991 no Festival de Brasília pelo longa-metragem Sua Excelência, o candidato, de Ricardo Pinto e Silva, e pelo curta-metragem Wholes, de Cecílio Neto. Em 1997 coordena, juntamente com Andrea Tonacci, a produtora Extrema Produções Artísticas. Além de montadora, Cristina Amaral realiza cursos e workshops de Montagem e Edição de Filmes. Entre os cineastas com os quais Cristina trabalhou estão Marina Person, André Sturm, Toni Venturi, Guilherme de Almeida Prado, Ricardo Elias, João Batista de Andrade, Edgar Navarro, entre outros.

Cristina Amaral é vencedora de prêmios em sua categoria no Festival de Gramado, RioCine e Festival de Brasília.

 

 

 

Unidade de Imprensa

Comentários

Notícias relacionadas