Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Covid-19: nenhum estado apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI superior a 90%

Leito de UTI - Foto: Rogerio Santana/Governo do Rio de Janeiro

Pela primeira vez desde o início de dezembro de 2020, nenhum estado apresenta taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS superior a 90%, é o que indica o Boletim Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), publicado na quarta-feira (14). Os indicadores de incidência e mortalidade do mês de julho também apresentaram queda pela terceira vez consecutiva.

Segundo o pesquisador do Observatório Fiocruz Covid-19, Raphael Guimarães, a vacinação tem feito diferença e traz reflexos positivos ao quadro pandêmico. “A progressão da cobertura vacinal hoje na população tem permitido que a gente consiga evitar ou então reverter adequadamente, principalmente os casos graves, e impedir as fatalidades. Então, a gente acredita que tenha relação com a vacinação”.

O número de casos e de óbitos vem caindo há três semanas em cerca de 2% ao dia, mas ainda permanece em alto patamar. A taxa de letalidade foi mantida em torno de 3%, percentual considerado elevado.

O boletim mostra que quatro estados permanecem na zona de alerta crítico, com mais 80% dos leitos ocupados. A pior situação é a de Santa Catarina (82%), seguida por Goiás (81%), Paraná (81%) e Distrito Federal (80%).

Em nota, a secretaria de Saúde do Distrito Federal informou que vem trabalhando para a redução da taxa de ocupação de leitos de UTI e tem ampliado a vacinação de acordo com a disponibilização de doses pelo Ministério da Saúde. A pasta informou também que a rede pública do DF dispõe de 422 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19.

Na capital federal, 1.103.249 pessoas tomaram a primeira dose da vacina contra o coronavírus, 381.193 a segunda dose e 40.491 receberam a dose única. Com relação ao número de casos, foram registrados 439.981. No total, 424.224 estão recuperados e 9.434 evoluíram para óbito.

De acordo com a Fiocruz, quatro capitais brasileiras estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 iguais ou superiores a 80%: São Luís (81%), Rio de Janeiro (81%), Goiânia (92%) e Brasília (80%).

A secretaria de Saúde de Goiânia esclareceu à reportagem que tem mantido taxas de ocupação de leitos de UTI para tratamento de Covid-19 abaixo de 80% nas últimas semanas. Os números de casos e mortes também sofreram queda e com o avanço da vacinação, a expectativa é de que diminuam ainda mais. A pasta reforça que o município já aplicou 861.751 doses da vacina contra a Covid-19 e que 51,68% da população a partir de 18 anos já recebeu pelo menos a primeira dose do imunizante. De acordo com a pasta, até o dia 14/07 a taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid estava em 76%.

Doze capitais estão fora da zona de alerta: Porto Velho (57%), Rio Branco (24%), Belém (48%), Macapá (52%), Natal (53%), João Pessoa (40%), Recife (50%), Maceió (55%), Aracaju (50%), Salvador (52%), Vitória (54%) e Florianópolis (53%).

Segundo Raphael Guimarães, medir a taxa de ocupação de leitos é importante para mensurar as respostas ao tratamento para os casos que necessitam de internação. “Nós temos duas questões: primeiro, qualquer alívio, qualquer respiro que a redução de casos traga para nós, ela repercute na verdade na questão da taxa de ocupação dali umas três, quatro semanas, porque isso é o curso natural da própria doença. Então, se hoje a gente observa uma redução de casos, só conseguimos ver os que não estão aparecendo mais graves algumas semanas depois.”

Vacinação

Ainda de acordo com o pesquisador da Fiocruz, a vacina possui capacidade limitada de bloquear a transmissão do vírus, sendo necessário uma cobertura em torno de 70%. “A vacina é uma ótima alternativa para reduzir casos graves ou fatais, mas o principal propósito da vacina não é necessariamente impedir a ocorrência de todos os casos, a gente não vai conseguir ter uma conta zerada de casos novos, em nenhum momento. Então é importante que a gente compreenda que para poder, de fato, conter definitivamente a pandemia, precisamos progredir com a vacina, aumentar a cobertura vacinal, mas, sobretudo, manter as regras sanitárias”, explica Guimarães.

Membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o médico Julival Ribeiro, destaca que a queda na taxa de ocupação de leitos de UTI tem relação direta com a vacinação da população qualificada como grupo de risco. “O número de casos da Covid está caindo, o número de hospitalizações também, com isso o número de mortes vem caindo, isso é reflexo também da população de risco que já tomou a segunda dose. Além do mais, o que se espera é que tenhamos maior rapidez na vacinação, sobretudo para completar as doses, visto que a população só está protegida após a segunda dose”.

Durante live na noite desta quinta (15), o prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Eduardo Paes, anunciou que até a 2ª semana de setembro os adolescentes entre 12 e 18 anos serão vacinados contra a covid-19 na cidade. No geral, a previsão é que todos os adultos sejam vacinados com ao menos uma dose até 18 de agosto. A prefeitura pretende também aplicar outra dose de reforço em idosos a partir do mês de outubro.

Apesar da antecipação das imunizações, Eduardo Paes alerta a população fluminense. “O nível de transmissão ainda é alto, não podemos relaxar. Eu busco ser otimista com as coisas, mas temos que ser otimistas e realistas, então continuem usando máscara, álcool em gel e respeitando as regras de distanciamento”, reforça.

Em termos gerais, segundo a análise da Fiocruz, os dados continuam apresentando a tendência de melhora na situação da Covid-19 no País, em conformidade com os indicadores de incidência e mortalidade. O estudo reforça que a vacinação tem feito diferença, o que reflete positivamente no quadro pandêmico na medida em que é ampliada. 

1ª dose: Ranking de vacinação por estados

UF População Dose 1 %
RS 11.377.239 5.608.416 49,30
MS 2.778.986 1.285.740 46,27
SP 45.919.049 20.946.679 45,62
ES 4.018.650 1.813.737 45,13
PR 11.433.957 5.102.054 44,62
SC 7.164.788 2.880.872 40,21
RN 3.506.853 1.407.050 40,12
RJ 17.264.943 6.864.974 39,76
MG 21.168.791 8.222.633 38,84
GO 7.018.354 2.679.642 38,18
MA 7.075.181 2.653.451 37,50
PB 4.018.127 1.501.141 37,36
AM 4.144.597 1.542.918 37,23
AC 881.935 324.304 36,77
PE 9.557.071 3.490.744 36,53
PI 3.273.227 1.189.489 36,34
TO 1.572.866 548.774 34,89
RO 1.777.225 619.255 34,84
AL 3.337.357 1.161.655 34,81
DF 3.015.268 1.045.282 34,67
MT 3.484.466 1.180.971 33,89
BA 14.873.064 4.924.471 33,11
SE 2.298.696 739.972 32,19
RR 605.761 185.873 30,68
PA 8.602.865 2.485.232 28,89
AP 845.731 238.479 28,20
CE 9.132.078 2.546.527 27,89

Imunização completa: Ranking de vacinação por estados

UF População Dose 2 Única %
MS 2.778.986 561.324 197.410 27,30
RS 11.377.239 2.222.353 264.198 21,86
ES 4.018.650 618.030 87.547 17,56
SP 45.919.049 6.421.910 1.384.967 17,00
RJ 17.264.943 2.482.888 215.516 15,63
PR 11.433.957 1.509.224 270.800 15,57
PB 4.018.127 562.093 53.515 15,32
SC 7.164.788 901.729 174.312 15,02
RN 3.506.853 462.295 46.639 14,51
MG 21.168.791 2.774.796 201.179 14,06
AL 3.337.357 410.175 47.280 13,71
PE 9.557.071 1.156.047 143.473 13,60
PI 3.273.227 399.565 37.435 13,35
BA 14.873.064 1.785.245 175.943 13,19
DF 3.015.268 369.944 26.713 13,15
GO 7.018.354 814.923 102.924 13,08
AM 4.144.597 503.498 24.852 12,75
AC 881.935 101.653 7.735 12,40
MT 3.484.466 366.937 64.937 12,39
RR 605.761 63.495 9.127 11,99
TO 1.572.866 165.686 21.515 11,90
MA 7.075.181 754.440 74.868 11,72
CE 9.132.078 1.031.654 31.580 11,64
RO 1.777.225 172.045 25.937 11,14
SE 2.298.696 231.636 21.135 11,00
PA 8.602.865 862.179 40.799 10,50
AP 845.731 78.106 8.242 10,21

Fonte: Brasil 61