Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

Corro o risco de perder meu veículo fazendo seu refinanciamento?

Com juros mais baixos, o empréstimo permite que o proprietário continue usando o veículo, mas é preciso cuidar para não ficar inadimplente

 

O refinanciamento é uma modalidade de empréstimo na qual o veículo é dado como garantia. Com isso, os juros aplicados sobre o valor emprestado são mais baixos. Ainda assim, essa situação pode gerar dúvidas.

 

Um dos receios de quem busca um dinheiro extra é de perder o carro para o banco ou não poder utilizá-lo enquanto não quitar o valor emprestado. No entanto, é válido ressaltar que para ter o automóvel apreendido, terá que existir inadimplência no pagamento.

 

O primeiro fator a ser explicado é que o veículo não deixa de ser seu, apenas fica alienado, mas com os documentos em nome do proprietário. Então, mesmo que seja uma garantia para a instituição financeira, não é preciso deixar o carro com eles.

 

Se você ainda tem dúvidas sobre o refinanciamento de veículo, entenda melhor como funciona e saiba quando há o risco de perder o carro. Além disso, descubra como verificar se esta modalidade é a mais indicada para você e sua família.

Como funciona o refinanciamento

O empréstimo com garantia de veículo é bastante simples e possui uma taxa de juros mais atrativa em comparação a outras modalidades. Quem possui um automóvel procura por uma instituição financeira e solicita o refinanciamento. Em seguida, entrega a documentação, inclusive do carro, para que seja avaliada. Se aprovado, o veículo fica alienado, mas em posse do proprietário.

 

A partir da assinatura do contrato e recebimento do valor emprestado, é necessário arcar com as parcelas e mantê-las em dia. Diferente do que muitos acreditam, o banco precisa esperar três pagamentos em atraso (90 dias) para solicitar a busca e apreensão.

 

Antes de solicitar o refinanciamento, é indicado analisar como as parcelas pesarão em seu orçamento. O ideal é que não comprometam mais do que 30% das finanças da casa. Feito isso, vale comentar que só são aceitos veículos dos últimos dez anos, então, antes de buscar pelo empréstimo é preciso verificar esta situação.

Quando ocorre a busca e apreensão

O refinanciamento é uma modalidade segura de empréstimo, não há motivos para se preocupar. Inclusive, por ter taxas de juros mais baixas, pode ser mais atrativo e caber no seu bolso.

 

A busca e apreensão do veículo não pode ser feita sem um motivo. Como você viu mais acima, continua com o carro em seu nome e pode usá-lo tranquilamente. O único cuidado está em manter as parcelas do empréstimo sempre em dia.

 

Como imprevistos podem acontecer, se atrasar um dos parcelamentos, entre em contato com a instituição financeira e já renegocie. Não deixe essa dívida esquecida.

 

O banco tem direito de solicitar a busca e apreensão do veículo quando as parcelas estão atrasadas e não houve uma negociação. Neste caso, como o automóvel foi dado como uma garantia da quitação do empréstimo, ele passa a pertencer à instituição financeira.

Vale a pena investir no refinanciamento?

Somente você pode definir com clareza se vale ou não a pena investir no refinanciamento de veículos. O recomendado é estudar seu funcionamento e verificar se as parcelas se encaixam no orçamento familiar. Além disso, se possível, tente pensar o que pode ser feito no caso de imprevistos.

 

Por exemplo, há um dinheiro reservado, que cubra o valor de uma ou duas parcelas do empréstimo? Isso pode ajudar e evitar atrasos. Além disso, é válido conversar com seu gerente ou responsável pela oferta do refinanciamento e tirar todas as dúvidas.

 

Ao analisar o lado positivo e negativo você conseguirá definir se é uma opção interessante para ajudar nas contas da casa. Até porque, enquanto não há nenhuma inadimplência, poderá continuar usando seu carro, inclusive para trabalhar como motorista de aplicativos ou com a realização de entregas, por exemplo.