Chuvas ainda não resolvem e rodizio no abastecimento da água continua

As chuvas que caíram em Santa Bárbara d’Oeste, nesta terça e quarta-feira, registrando 59,8 mm, não interferiram na melhora da captação da água bruta e o recurso hídrico do município segue com o nível baixo, necessitando de uma quantidade maior de chuvas. Enquanto aguarda esse período chuvoso se intensificar, o DAE (Departamento de Água e Esgoto) de Santa Bárbara d’Oeste continua com as manobras de redução de vazão da água na rede de distribuição, nos horários das 11h às 16h e das 22h às 5h, para poder manter o abastecimento da cidade que enfrenta essa crise hídrica em conjunto com outros municípios da região e do estado.

Apesar de valer para todo o município, desde segunda-feira passada, os horários especificados que estão tendo a vazão da água reduzida podem sofrer alterações por consequência de problemas apresentados na distribuição em alguns pontos da cidade. A possibilidade da distribuição da água turva não está descartada pelo DAE, haja vista que isso pode ocorrer devido às partículas de terra que decantam no fundo dos reservatórios e se misturam na água, não havendo o tempo necessário para efetuar as limpezas dos mesmos.

Diante dos problemas apresentados até o momento no fornecimento da água, devido à estiagem, o DAE esclarece que vem mantendo todos os esforços possíveis através do envolvimento dos seus funcionários em minimizar a falta d’água, e atuar da forma mais ágil possível na manutenção de vazamentos. O DAE salienta que nunca forneceu e ou vendeu água para nenhum outro município, nessa e em nenhuma outra época.

O engenheiro Carlos Augusto dos Santos, funcionário e diretor de Gestão de Recursos Hídricos do DAE, afirma que “o fato de que o DAE barbarense vende água para outros municípios isto não é verdadeiro, e acredito que estes boatos não trazem nenhuma ajuda neste momento que tanto precisamos estar juntos para vencer esta crise”.

Quanto aos problemas no fornecimento da água em alguns pontos da cidade, nesse período da estiagem, o engenheiro relaciona o fato às avarias que possam vir aocorrer nos equipamentos mecânicos e tubulações. “O sistema atual de reservação e distribuição de água tratada em nosso município contém tubulações, motores e bombas, que como todo equipamento pode apresentar problemas na sua operação. Devido ao fato de estancarmos as redes e pararmos os motores e bombas como foi previsto no rodízio, e após certo tempo voltarmos a abastecer, estes equipamentos podem apresentar problemas para restabelecer, a exemplo de vazamentos nas redes e ar nas bombas, ocorrendo uma majoração no tempo previsto de restabelecimento de água em alguns pontos da cidade. Não estamos de forma alguma privilegiando qualquer bairro, mas mantendo abastecidos pontos estratégicos como hospitais, centros de saúde e bombeiros. Alguns moradores podem sofrer menos com esta situação devido ao fato de terem em seu imóvel mais volume de reservação (caixa d´água), achando até que não esta havendo algum tipo de manobra na distribuição de água tratada, e mediante este fato pedimos que dentro do possível melhorem e revisem as caixas d´águas.

Por fim o DAE informa, claramente, que busca outros mananciais para o abastecimento e que, em virtude da urgência e emergência do problema, nenhum local em potencial pode ser descartado. Entretanto, como já informado aos meios de comunicação, a última opção, em situação de caos hídrico onde todos os nossos mananciais encontrem-se desprovidos de carga para o abastecimento, até mesmo o rio Piracicaba pode ser tornar uma opção.

 

DAE/SBO

Comentários

Notícias relacionadas