Campanha Fique Sabendo encerra com mais de 700 testes

A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste, por meio da Secretaria de Saúde, finalizou a edição 2014 da Campanha “Fique Sabendo”. Mais de 700 testes foram feitos durante a iniciativa. Antes de realizar a coleta do teste rápido, os pacientes passaram por um aconselhamento, onde é preenchida uma ficha com dados pessoais e algumas informações para avaliar os riscos de contaminação para HIV e Sífilis. Além disso, eles receberam orientações sobre as doenças sexualmente transmissíveis e prevenção das mesmas. Promovida pelo Ministério da Saúde em parceria com prefeituras, a iniciativa tem o objetivo de diagnosticar precocemente a contaminação pelo vírus HIV e pela Sífilis.

 

A Campanha 2014 apresentou um aumento de 280% de pessoas que realizaram o teste em relação ao ano passado. “Esse dado demonstra que realizamos uma boa divulgação e que as pessoas estão com menos preconceito para realizar os testes de HIV e DST. Espero que para 2015 a iniciativa avance em relação a este ano, pois sempre esperamos melhorar as nossas ações, não somente durante a campanha em Dezembro, mas ao decorrer do ano”, enfatizou a coordenadora do Programa DST/AIDS e Hepatites Virais de Santa Bárbara, Juliana de Oliveira Jodas.

 

Quando é diagnosticado HIV, o paciente é orientado sobre o acompanhamento que é realizado no AMDIC, sendo agendada coleta de exame para verificar a carga viral e de anticorpos, que são nossas células de defesa do corpo, posteriormente sendo marcada consulta com infectologista. O acompanhamento é pelo resto da vida. Também pode ser iniciada, após a avaliação médica, a medicação que ajuda no controle da doença e na diminuição da transmissão da mesma.

 

Em relação à Sífilis, quando o teste rápido apresenta-se reagente, é colhido exame laboratorial para verificar se o paciente está com a doença no momento ou se é cicatriz de um tratamento anterior. Se for verificado que é uma transmissão recente, o paciente pode se tratar tanto no AMDIC como nas unidades de saúde, se preferir. O tratamento é simples e eficaz, com doses de antibiótico intramuscular, podendo durar de 1 a 3 semanas (com uma dose semanal). Após isso é realizado acompanhamento com novos exames para avaliar se houve cura ou não. Se confirmada a cura o paciente recebe alta não precisa mais realizar o tratamento.

 

Foto: Marcel Carloni

 

Assessoria de Imprensa

 

Comentários

Notícias relacionadas