RMC 

Câmara de Americana contrata primeiros educandos do projeto “Formadores de Inclusão”, em parceria com a APAE

A Câmara Municipal de Americana efetivou nesta semana a contratação dos três primeiros educandos do projeto “Formadores de Inclusão”, realizado em parceria com a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Americana) e voltado à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

 

Na primeira etapa de implantação, os formadores de inclusão indicados pela APAE foram contratados para atuar na secretaria, recepção e unidade de apoio operacional da coordenadoria de serviços legislativos. São pessoas com deficiência física ou mental leve, que passam por capacitação e treinamento na entidade para serem incluídas no mercado de trabalho. Cada um receberá uma bolsa-auxílio no valor de R$ 788,00 mensais. Ao todo, o projeto prevê a abertura de até sete vagas para os educandos.

 

“Com a implantação deste projeto, que teve sua criação aprovada no ano passado, pretendemos ampliar ainda mais a visão social que a Câmara sempre demonstrou, comprometida com as questões de inclusão e acessibilidade das pessoas com deficiência”, avaliou o presidente da Casa, vereador Pedro Peol (PV).

 

“A Câmara está empenhada em oferecer as condições para que as pessoas possam vir aqui e aprender realmente um ofício, descobrir e aperfeiçoar suas habilidades, auxiliando na formação e no crescimento profissional dos participantes do projeto”, acrescentou Peol.

 

De acordo com o projeto, a duração diária do estágio não poderá ultrapassar seis horas, de segunda a sexta-feira, dentro do horário do funcionamento da Câmara Municipal. Cada educando terá ainda um funcionário da Casa designado como intermediador responsável, auxiliando no desempenho das atividades.

 

O projeto

 

Instituído pelo decreto legislativo nº 725/2015, de autoria do vereador Celso Zoppi (PT), o projeto estabelece convênio entre o legislativo municipal e a entidade para que alunos do curso de formação profissional da APAE possam realizar estágios remunerados na Câmara Municipal pelo período de um ano, de maneira semelhante ao programa “Agente da Inclusão”, desenvolvido na prefeitura de Americana desde 2011.

 

“Temos que defender a inclusão social de todos, trabalhando para que tenham cada vez mais independência e qualidade de vida como todo cidadão, independentemente de ser deficiente ou não.  Para que a inclusão das pessoas com deficiência aconteça cada vez mais, é preciso o envolvimento dos poderes constituídos e, por isso, é importante que esta Câmara Municipal contribua com o processo”, defendeu Zoppi.

Comentários

Leia também...