Brasil será sede do maior evento de defesa do consumidor do mundo

Brasília, 19/11/2014 – “Porque o Brasil é uma escolha estratégica? Simples. O Brasil está em uma ótima posição de desenvolvimento em vários aspectos e tem feito um trabalho exemplar na proteção do consumidor. E, está provado, que uma forte proteção do consumidor pode significar um forte crescimento econômico”. É assim que a diretora da Consumers International, Amanda Long, explica porque o Brasil foi escolhido nesta terça-feira (18/11), para sediar o maior evento mundial de defesa do consumidor no próximo ano. Líderes de defesa do consumidor de 120 países estarão no país, quando o Código de Defesa do Consumidor completa 25 anos.
O anúncio foi feito durante o Seminário Internacional para discussão do fortalecimento e sustentabilidade das organizações civis de defesa do consumidor, em Brasília. O evento foi promovido pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon).
Para o presidente do Conselho da Consumers Internacional, James Guest, o Brasil tem feito um excelente trabalho para a proteção do consumidor. “Estamos muito impressionados com modo como a defesa do consumidor vem sendo feita aqui no Brasil pelo Ministério da Justiça, por meio da Senacon. Isso é um exemplo para o resto do mundo. Queremos aprender e também trazer nossas experiências”, afirma Guest.
O objetivo do congresso mundial de defesa do consumidor será debater estratégias de proteção aos direitos dos consumidores e fortalecimento das organizações. Mesmo não tendo ainda um tema específico, uma vez reunidos, os líderes deverão definir como usar as ferramentas digitais disponíveis para amplificar a voz do consumidor e seus direitos e torná-los ainda mais envolvidos

 

Durante o evento, a secretária Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça, Juliana Pereira, apresentou a plataforma Consumidor.gov aos especialistas em defesa do consumidor de países como Alemanha, Argentina, Holanda, Dinamarca, Índia, Inglaterra, Korea do Sul e Quênia e explicou é o modelo brasileiro de defesa do consumidor.

 

Ao final, a secretária disse que “ser sede do Congresso Mundial da Consumers International é como ser sede das olimpíadas. Nos sentimos extremamente honrados porque é saber que o Brasil tem se tornado referência no ambiente internacional como um país que trabalho pelo respeito aos direitos dos consumidores” ressaltou a secretária da Senacon.

Comentários

Notícias relacionadas