Americana: Vereadores da CEI da Aplicação das Receitas vistoriam Hospital Municipal


Os vereadores Alfredo Ondas (PMDB), Celso Zoppi (PT) e Tonhão do Veteranos (PMDB), membros da comissão especial de inquérito da Câmara Municipal de Americana constituída para apurar supostas irregularidades na aplicação das receitas da prefeitura de Americana, realizaram nesta quarta-feira (18) uma visita técnica para vistoriar as instalações e obras inacabadas de ampliação do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi.

 

Os parlamentares foram acompanhados pelo encarregado de manutenção do hospital, Rogério Suzigan, o fiscal da prefeitura de Americana durante as obras, Márcio Moreno (atualmente servidor concursado da prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste), funcionárias do hospital municipal e assessoria técnica da Câmara.

 

Durante a visita, os vereadores vistoriaram leitos, corredores e instalações do hospital, comparando o estado de conservação das instalações com os itens constantes no projeto de reforma que foram pagos à empresa responsável pelos trabalhos. Fiscalizaram também as obras inacabadas do novo prédio, em que constataram falhas de projeto, planejamento e materiais utilizados em estado de deterioração.

 

De acordo com o presidente da comissão, vereador Alfredo Ondas, as planilhas apresentam valores altos para reforma de itens como pisos, revestimentos e forros, que teriam sido pagos e não realizados. “Pudemos encontrar erros crassos, um dispêndio de dinheiro público absurdo. Assistimos depoimentos de funcionários dizendo que nunca houve reforma alguma, confirmando a alegação de que foi pago por uma reforma que não existiu”, afirmou.

 

O relator da comissão, vereador Celso Zoppi, considerou fundamental a vistoria para embasar os trabalhos da CEI. “A visita foi muito importante porque essas informações vão embasar o relatório, junto com os depoimentos que já colhemos. Ficamos abismados com os itens constantes da planilha, que foram pagos e não executados. Ficou fácil perceber que, conforme apontávamos lá atrás, esse é um caso de improbidade administrativa, por se tratar de um mau uso do dinheiro público”, avaliou.

 

Ainda segundo Ondas, o novo prédio do hospital municipal, que não foi concluído, possui várias falhas de projeto. O presidente da comissão destacou que as conclusões da comissão serão encaminhadas à justiça para providências. “O prédio anexo apresenta erros absurdos de execução e planejamento. Tudo isso foi possível documentar e vamos ressaltar tudo isso no nosso relatório, que vai ser encaminhado ao Ministério Público. Temos certeza que essa situação vai desencadear uma responsabilização para todos aqueles que usaram o dinheiro público de maneira tão irresponsável, trazendo um prejuízo imenso”, concluiu.

Comentários

Notícias relacionadas