Portal SB24Horas

Conteúdo é aqui!

6 perguntas que você deve fazer ao seu dentista

O cuidado adequado com a integridade dos dentes é fundamental para manter a saúde de todo o organismo. Por isso, realizar perguntas ao dentista quanto ao processo de higienização e os impactos dos hábitos diários pode ser decisivo para garantir o bem-estar.

Contudo, no período de troca de profissionais também podem surgir diversas dúvidas quanto à qualificação daquele médico, referente aos produtos utilizados ou quanto aos métodos empregados na realização dos tratamentos – o que também ocorre ao iniciar um novo tratamento.

Esses questionamentos aparecem, principalmente, quando se está iniciando um acompanhamento por meio de um novo convenio odontologico, o que também pode levar a questões referente às coberturas. 

Por isso, sanar todas as dúvidas pode ser essencial para a construção de um bom relacionamento e a garantia de um serviço de excelência.

Por que é necessário fazer perguntas?

Justamente por se tratar de uma especialidade altamente intervencionista, que afeta diretamente a aparência do rosto e de todo o sorriso, confiar plenamente no serviço dos profissionais que estão realizando os tratamentos odontológicos é crucial para o sucesso do processo.

Ao mesmo tempo, quando se inicia o uso de um plano odontologico, estar conectado a uma rede de consultórios e especialistas pode ser fundamental para a comodidade de acessar um dentista próximo, mas também pode levantar dúvidas quanto a qual é a melhor opção.

Por isso, realizar o máximo de perguntas possível nas primeiras visitas pode te ajudar a se certificar quanto a capacitação daquele profissional, a quantidade de experiência e a qualidade dos serviços prestados, bem como os atendimentos disponíveis.

6 perguntas que devem ser sanadas

Além disso, o uso do plano dental coletivo empresarial pode servir para realizar as consultas de rotina recomendadas para garantir a saúde oral. 

Nessas visitas, é preciso perguntar sobre os sintomas e as causas das anormalidades bucais, para que se possa evitá-las no futuro.  

Mas, afinal, quais são as principais perguntas a serem feitas?

  • Qual é a frequência ideal para eu me consultar?

A sugestão geral dos profissionais é que os pacientes devam comparecer a visitas de limpeza e examinação, ao menos, duas vezes ao ano. Contudo, essa frequência pode precisar aumentar de acordo com as necessidades de cada tratamento.

Por exemplo, os tratamentos ortodônticos precisam passar por manutenções uma vez por mês, e o tratamento de cáries extensas podem exigir diversas visitas consecutivas.

No entanto, o paciente não deve deixar de seguir as instruções do dentista e, neste caso, um plano odonto empresarial pode ajudar com os custos.

  • Quais são as suas qualificações nesta especialidade?

Por ser um trabalho que exige precisão e um bom domínio da técnica, o cirurgião-dentista deve ter uma boa qualificação e experiência com o trabalho a ser desenvolvido. Cabe ao paciente, junto ao profissional, certificar dessas competências ou a necessidade de encaminhamento.

Deste modo, é preciso perguntá-lo sobre sua carreira e formação, além de ser possível consultar o Conselho Regional de Odontologia para garantir a legitimidade do que foi dito e certificar que estarão sendo disponibilizados trabalhos condizentes com a especialidade.

  • Quais são os parceiros do consultório?

Ao iniciar o tratamento em um novo consultório do plano dental para MEI, ou em qualquer outro tipo de assistência odontológica, é fundamental saber sobre quais são as marcas/empresas parceiras da equipe para analisar melhor as recomendações do dentista e até facilitar os processos de realização de exames, por exemplo.

  • A minha escovação está adequada?

Às vezes, a origem da maior parte dos problemas bucais não está na formação dentária ou na quantidade de escovações que são realizadas por dia, e sim na qualidade da técnica aplicada durante as rotinas de limpeza oral.

Por isso, é necessário pedir, a um dentista de confiança, uma avaliação dos hábitos de higienização, uma assessoria quanto ao modo mais efetivo de utilizar o fio dental e quais são os melhores produtos para o seu caso, como:

  • Melhor escova de dente;
  • Tipo de creme dental para sua condição bucal;
  • Tipo de fio dental mais apropriado;
  • Acessórios que podem ajudar na higienização do aparelho ortodôntico;
  • Produtos que podem ser utilizados na limpeza das próteses dentárias.

 

  • Qual é o melhor enxaguante bucal para mim?

Mais do que compreender sobre qual tipo de produto é preciso investir, o paciente deve saber primeiro se precisa fazer o uso desses elementos, como é o caso do enxaguante.

Se este for o cenário, é necessário entender qual é a frequência ideal para o uso e qual seria o mais recomendado para cada situação, como para sensibilidade, combate às bactérias, entre outras opções.

  • Porque estou com mau hálito?

A halitose pode indicar problemas com a escovação ou o surgimento de doenças que não tenham sido percebidas pelo paciente. Por isso, questionar sobre esse tipo de sintoma pode ajudar o profissional a identificar a origem do problema e tratá-lo adequadamente.

Além disso, o dentista pode ajudar o paciente a entender porque a escovação da língua, por exemplo, pode ser a fonte do mau hálito e do desequilíbrio das bactérias bucais. 

Do mesmo modo, o profissional pode auxiliar na identificação e procura de outras especialidades, caso a origem não seja bucal, visto que pode estar relacionado, por exemplo, ao sistema digestivo e à alimentação.

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Conviva Melhor, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.