Produção industrial deve fechar o ano com crescimento

INDÚSTRIA BRASILEIRA MOSTRA SINAIS DE RECUPERAÇÃO, AFIRMA ABDI

A indústria está aos poucos recuperando o terreno perdido e deve, ainda este ano, fechar com crescimento da produção.

A indústria brasileira desde o segundo trimestre de 2016 mostra sinais de recuperação. A Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física, publicada pelo IBGE, hoje pela manhã, reforça o otimismo (tabela 1).

Segundo os dados do IBGE, a produção industrial brasileira cresceu 0,1% entre janeiro e fevereiro e, mais importante, apontou a recuperação da indústria de bens capital, que aumentou seu produto em 6,5% no mesmo período. Este resultado é bastante significativo, pois indica não apenas que as encomendas e compras de máquinas e equipamentos está se recuperando, mas, principalmente, que os diferentes setores produtivos da economia melhoraram suas perspectivas em relação ao futuro e parecem que estão voltando a investir.

Este otimismo aparece refletido no bom resultado de todos os grandes setores da indústria brasileira. Apenas o subsetor de bens de consumo semiduráveis e não duráveis mostrou decepcionou.

Tabela 1 – Indicadores de produção industrial brasileira, 201

(em porcentagem. Série dessazonalizada)

Fonte: IBGE. Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física.

A observação dos dados, desde 2013, aponta que a recuperação da produção industrial, embora lenta, iniciou-se no segundo trimestre de 2016 (gráfico 1). Mais uma vez, a indústria de bens de capital mostrou mudança muito clara de tendência, reduzindo pouco a pouco suas perdas. O mesmo aconteceu com as outras categorias de consumo, embora em intensidades diferentes. O gráfico 2 mostra que também a indústria de bens de consumo vem reduzindo suas perdas e, a seguir a tendência, deve apontar algum crescimento ao final deste ano.

Assim, mais importante do que o retrato da indústria hoje, o que os números apontam é para a superação da recessão vivida entre 2015 e 2016. Em outras palavras, a indústria está aos poucos recuperando o terreno perdido e deve, ainda este ano, fechar com crescimento da produção.

 

Gráfico 1 – Evolução produção física por grandes categorias de consumo, 2013-2017

(em porcentagem acumulada nos últimos 12 meses)

Fonte: IBGE. Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física.

Gráfico 2 – Evolução produção física da indústria de bens de consumo, 2013-2017

(em porcentagem acumulada nos últimos 12 meses)

Fonte: IBGE. Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física.

Alguns dados, todavia, ainda preocupam e precisam ser observados de perto. Relatório de indicadores industriais divulgado ontem pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) aponta, por exemplo, para queda, embora pequena, no nível de utilização da capacidade instalada, depois de três meses seguidos de melhoria. Além disso, a massa salarial paga pela indústria e o rendimento médio dos trabalhadores diminuiu.

O conjunto dos dados confirma a expectativa mais comum entre os analistas: a economia, marcadamente a indústria já passou pelo seu pior momento, mas a recuperação será lenta. De qualquer modo, o período atual é de melhoria gradual dos indicadores, com ajustes pontuais e otimismo moderado.

 

Sobre a ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI surgiu no momento de retomada das políticas públicas de incentivo à indústria, em 2004, e se legitimou com órgão articulador dos diversos atores envolvidos na execução da política industrial brasileira.

Em mais de uma década de atuação, sob a supervisão do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a ABDI é a única agência de inteligência do governo federal para o setor produtivo e oferece à indústria completa estrutura para a construção de agendas de ações setoriais e para os avanços no ambiente institucional, regulatório e de inovação no Brasil, por meio da produção de estudos conjunturais, estratégicos e tecnológicos.

Comentários