Corrimento vaginal e ausência da vesícula podem afetar a fertilidade da mulher

Muitas são as causas da infertilidade na mulher. Segundo o ginecologista e obstetra, Domingos Mantelli, entre os motivos mais frequentes estão as alterações na tireoide, que podem atrapalhar a ovulação, além da falta de vitamina D.

 

“Muitas mulheres não dão importância aos mínimos sinais que o corpo emite e acreditam não ser nada demais… No entanto, é necessário analisar o corpo como um todo, já que tudo tem uma interdependência. Um exemplo que pode afetar uma possível gestação é a ausência da vesícula, já que o organismo perde os sais biliares e o corpo deixa de absorver as vitaminas lipossolúveis como A, D e K e, consequentemente, uma baixa de vitamina D que a mulher não absorve. Assim, a mulher tem prejuízos em sua ovulação e, muitas vezes, pode não engravidar”, relata Mantelli.

Com um diagnóstico correto e preciso, muitas vezes, o médico recomenda a ingestão de sais biliares manipulados para resolver. De acordo com o ginecologista, deverá ser feita uma dosagem, por um especialista, com o objetivo de evitar uma série de problemas.

 

Outro problema comum que pode dificultar a gravidez é o corrimento. Muitas vezes, o mal pode ser a causa de uma obstrução das trompas, impedindo que os espermatozoides passem pelo canal até o óvulo. “ A mulher deve se atentar aos exames de rotina sempre! O ginecologista deve fazer o exame físico para observar a proporção do corrimento, já que, muitas vezes, não é o mesmo tipo de corrimento que desce e fica na calcinha. Pode ser um corrimento mais grave e que fica alocado dentro da mulher”, reforça o ginecologista.

 

 

Sobre Dr. Domingos Mantelli

Dr. Domingos Mantelli é ginecologista e obstetra, com formação em neurolinguística e atuação na área de medicina psicossomática. É formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e possui residência médica na área de ginecologia e obstetrícia pela mesma instituição. Também é autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra”.

Comentários