Prefeito recebe manifestantes e transporte coletivo volta ao normal em Nova Odessa

O protesto de motoristas e cobradores de ônibus de Nova Odessa acabou por volta das 9h30 desta terça-feira, dia 1º de setembro. O prefeito de Nova Odessa, Benjamim Bill Vieira de Souza, o presidente da Câmara, Vladimir Antônio da Fonseca, o Professor Bi, e o vereador Celso dos Reis Aprígio, o Celso da Concrenova, receberam nesta manhã, no gabinete do prefeito, uma comissão de representantes de motoristas e cobradores de ônibus, acompanhada pelo presidente do Sindicato dos Condutores de Americana e Região, Paulo Sérgio da Silva.

Durante a reunião, o presidente do sindicato explicou que o protesto foi causado pela falta de diálogo com um vereador que apresentou projeto autorizando o transporte de animais nos veículos do transporte coletivo. Segundo Silva, o projeto havia sido retirado da pauta há 15 dias pelo autor para que houvesse uma discussão com o sindicato, mas isso não aconteceu. “Consideramos uma falta de respeito com a categoria e por isso fizemos esse protesto”, explicou o presidente do sindicato.

O prefeito Bill se colocou à disposição da categoria e os vereadores presentes à reunião se comprometeram a encaminhar um ofício ao sindicato assumindo o compromisso de que nenhum projeto deste tipo seria discutido na Câmara sem antes haver uma reunião com a categoria. “Nós assumimos esse compromisso porque os representantes da categoria têm conhecimento sobre sua realidade, seu dia a dia e nós, como representantes do povo, precisamos ouvi-los sempre”, disse o Professor Bi.

Eu sabia que tinha acontecido uma confusão na Câmara e eu, como prefeito, não tinha nada a ver com isso. Mas a partir do momento em que a população teve seu transporte prejudicado e o sindicato pediu uma intervenção minha, rapidamente recebi uma comissão, junto dos vereadores, e todos se acertaram. O transporte já voltou ao normal em Nova Odessa”, explicou o prefeito.

O protesto reuniu cerca de 40 funcionários do transporte coletivo e escolar, com 30 veículos concentrados em frente a prefeitura. A Diretoria de Transportes estima que cerca de 5.000 pessoas foram afetadas, entre eles 700 alunos do transporte escolar.

O projeto que causou a polêmica teve parecer contrário da Comissão de Justiça e Redação da Câmara. O parecer foi aprovado na segunda-feira durante a sessão e, com isso, o projeto é arquivado.

Comentários

Notícias relacionadas