Goalball: NO é a 2ª cidade da RMC a trabalhar com modalidade destinada à deficientes visuais


Na tarde de sexta-feira (13/11) a Secretaria de Esportes de Nova Odessa realizou aula inaugural de goalball, a cidade passa a ser a segunda na RMC (Região Metropolitana de Campinas), depois de Campinas e a 16ª no Estado de São Paulo a desenvolver a única modalidade não adaptada para deficientes visuais.

O evento foi realizado no Ginásio Poliesportivo Oswaldo Bassi, no Jardim Santa Luiza e contou com a presença do representante da Secretaria de Estado dos Direitos das Pessoas com Deficiência, Sérgio Gatto; da coordenadora de goalball escolar, Beatriz Bonfim; da AIADV Escola de Cegos Santa Luzia de Itu, da equipe do Ceprevi de Itapetininga e do presidente da APNEN (Associação dos Portadores de Necessidades Especiais) de Nova Odessa, Carlos Alberto Raugust.

Segundo dados da assessoria de imprensa da CBDV (Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais), no Estado de São Paulo existem 24 associações, distribuídas em 15 cidades, que são filiadas à Confederação e praticam o goalball. Além do Ceprevi em Itapetininga e AIADV em Itu, tem FPDC e Advvale em Taubaté, Cesec e INV em São Paulo, Apadv em São Bernardo, Provisão, Hospital Argia, Idea Atholon, Adevig em Guarulhos, Olhar Tátil em Mogi das Cruzes, LMC e SFC em Santos, Ajep/Peama e UDJR em Jundiaí, SFITC em Franca, Adevirp em Ribeirão Preto, APC e Pró-Visão em Campinas, AMSS e CAD em São José do Rio Preto e Sesi de Mogi das Cruzes

A modalidade

Cada time joga com três jogadores e todos os atletas usam vendas nos olhos, já que o competidor pode ter deficiência total ou parcial, o objetivo da modalidade é arremessar a bola com as mãos no gol do adversário. Posicionados no espaço de três metros a partir da linha do gol, os atletas também devem defender as bolas lançadas pela equipe adversária. Sem contato físico entre as equipes, ganha o jogo quem fizer mais gols dentro dos 24 minutos de duração da partida.

Com 76 cm de diâmetro, pesando 1,25 kg, a bola possui guizos em seu interior que emitem sons, para que os jogadores saibam sua direção. A quadra tem dimensões de 9m de largura por 18m de comprimento, de cada lado da tem um gol com nove metros de largura e 1,3 de altura. As linhas para a orientação dos jogadores são marcadas por um barbante preso com fita adesiva, permitindo que os atletas possam senti-las.

Investimento

Como parte do processo de inclusão social através do esporte e melhoria da qualidade dos espaços públicos e das modalidades oferecidas à população, a Secretaria de Esportes adquiriu material de acordo com o padrão da IBSA (International Blind Sports Federation), que inclui duas bolas de borracha moldada, rede de polietileno trançado, protetor para trave confeccionado em espuma, cotoveleira e joelheira de poliamida e óculos de proteção. O investimento custou R$ 6.036,80. As duas traves foram doadas pela empresa Classic Metal Indústria Metalúrgica Ltda, de Sumaré.

Destaque

Nova Odessa tem uma representante na modalidade que é destaque em competições no Estado. Danielle Vilas Longhini, que tem 14 anos, é estudante do Ensino Fundamental do Colégio Objetivo de Nova Odessa e já representou a cidade nos Jogos Escolares do Estado de São Paulo (Jeesp), a atleta também conta com o apoio da APNEN (Associação dos Portadores de Necessidades Especiais).

A novaodessense conquistou vaga para participar das Paralimpíadas Escolares de 2015, que acontece na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. O evento, organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), será disputado entre os dias 23 e 28 de novembro. Em 2014, a novaodessense só não se classificou por mudança da regra por parte da organização, que aumentou de 13 para 14 anos a idade mínima para competir no evento nacional. Na ocasião ela ainda tinha 13 anos.

“Apesar do Brasil ser campeão mundial de goalball a divulgação ainda é pequena. Parabéns à cidade de Nova Odessa por acreditar na modalidade e incentivar a sua prática”, disse a coordenadora de goalball escolar do Estado, Beatriz Bonfim.

“Parabenizo Nova Odessa por investir no paradesporto, é muito importante que as cidades tenham essa percepção de trabalhar com a inclusão através do esporte. Estaremos sempre à disposição para que a modalidade continue crescendo aqui na cidade e em toda região”, disse o representante da Secretaria de Estado dos Direitos das Pessoas com Deficiência, Sérgio Gatto.

“Para nós é um prazer desenvolver uma atividade que trabalha com a inclusão das pessoas com deficiência através do esporte e também motivo de orgulho fazer parte desse pequeno grupo que desenvolve a modalidade no Estado de São Paulo. Foi um momento histórico para a cidade de Nova Odessa, porque o nosso foco é a iniciação esportiva e a inclusão social. Continuaremos trabalhando para que o maior número de novaodessenses tenham a oportunidade de estarem inseridas no esporte em nosso município. Agradecemos a presença de todos”, disse o secretário de Esportes Angelo Roberto Réstio, o Nenê Réstio.

Com informações da assessoria de imprensa da CBDV (Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais).

 

 

Assessoria de imprensa

Comentários

Notícias relacionadas