Artigos / Opinião 

Família e escola: o desafio de aproximar pais e alunos do Ensino Médio

Orientadora educacional explica como a escola pode auxiliar na proximidade dos familiares com a rotina escolar dos filhos nesse período decisivo

Adolescência, escolha da carreira, vestibular, para onde ir e o que fazer? Questões como essas fazem parte da vida dos estudantes do Ensino Médio. Lidar com todas as mudanças e ainda ter a responsabilidade para tomar decisões não é uma tarefa fácil e toda ajuda é bem-vinda. Família e escola devem se unir para colaborarem com o processo de aprendizagem e formação de cada jovem, para que ele possa se planejar e se dedicar ao próprio futuro. Mas, se aproximar os pais e responsáveis da escola é um desafio, imagine se esses pais forem de adolescentes?

Segundo a orientadora educacional do Ensino Médio do Colégio Anglo 21, na zona sul de São Paulo, Sofia de Alencastro, os pais tendem a se afastar da rotina escolar do filho após estes ingressarem no Ensino Médio. “No primeiro ano ainda há a participação dos responsáveis por conta da adaptação do aluno que está saindo do Ensino Fundamental e iniciando uma nova jornada, com mais disciplinas, mais cobranças e que exige maiores tomadas de decisões”, afirma. “E também, muitas vezes, os pais não sabem a realidade do Ensino Médio e precisam se adaptar junto com os filhos”, diz Sofia.

No entanto, esse período é quando os estudantes mais precisam de apoio e proximidade dos familiares. Para a orientadora, “apesar de os alunos estarem mais velhos e sentirem que têm mais autonomia, é necessário que eles revejam hábitos de estudo e a rotina fora do ambiente escolar”.

Para auxiliar nesse processo e aproximar os pais da rotina dos filhos que estão no Ensino Médio, o orientador educacional atua como intermediador dessa relação. Conversar com os pais individualmente sobre o comportamento do aluno e depois conversar com todos em conjunto é fundamental para que o dia a dia do jovem se torne mais leve. “Nós temos que traçar um plano de metas; os pais precisam estar juntos da escola para observar e entender os anseios dos filhos, firmando uma parceria para o bem-estar de todos”, afirma Sofia.

No Colégio Anglo 21 são realizadas reuniões coletivas a cada semestre e reuniões individuais com os pais de cada aluno a cada trimestre, dependendo do rendimento escolar do aluno no período. As orientadoras educacionais buscam saber através dos responsáveis sobre a rotina do estudante, na tentativa de encontrar uma justificativa para o rendimento, caso não tenha o resultado esperado.

Dessa forma, ter um espaço aberto para conversas dentro da escola e com a intermediação da orientadora educacional ajuda na relação dos jovens com seus familiares e também no rendimento dos alunos. A orientadora diz que os estudantes se sentem mais seguros em conversar com os pais sobre carreira e planos de futuro quando estão no ambiente escolar. “Com essas reuniões, os responsáveis percebem que cada uma das partes tem uma pequena responsabilidade, vai do entendimento de que não se deve pressionar o aluno a seguir o que a família quer”.

Além disso, as reuniões permitem que pais e filhos, com o suporte da orientação, possam falar sobre a vida social, sexualidade, relações afetivas, entre outros assuntos que norteiam a vida dos adolescentes. “Assim, os filhos se aproximam mais dos pais e os pais se aproximam mais da escola”, conclui.

Sobre o Anglo 21

Localizado na Zona Sul de São Paulo, o Anglo 21 é o primeiro colégio do Grupo Anglo, pertencente à SOMOS Educação. A escola, que atende todos os segmentos da educação básica, do Infantil ao Médio, concentra práticas pedagógicas modernas e inovadoras, necessárias para o estudante do Século XXI, alicerçadas na tradição e força da marca Anglo. Assim, compromete-se com o desenvolvimento integral de crianças e jovens, a fim de que o mundo possa contar com cidadãos ainda mais responsáveis e conscientes de sua atuação na sociedade, trabalhando para a formação humanista, estimulando valores de responsabilidade individual, social, ambiental, para a capacidade de resolver problemas e para o desenvolvimento de soluções criativas no dia a dia.

Comentários

Notícias relacionadas