Tratamentos não cirúrgicos para a coluna

Conheça o novo tratamento fisioterápico que se vale de aparelhos de tração e flexão mais atividade física para dar um fim nas dores de hérnias de disco e outros problemas de coluna

mulher-mao-costas-doresFoto: Divulgação

Quando o disco, a cartilagem entre as vértebras da coluna, está em crise, os incômodos não tardam a aparecer. E só depois de muita avaliação que os especialistas no assunto podem bater o martelo para a melhor terapia. Às vezes, opta-se pelo controle da dor por meio de medicamentos. Outras tantas, recorre-se à fisioterapia. Ou, então, a solução está na cirurgia – minimamente invasiva ou não. Porém, muitos concordam que, em boa parte dos casos, o tratamento é paliativo. E mais: se o paciente não toma alguns cuidados ou faz exercícios físicos sem orientação, a dor voltará a dar o ar de sua desgraça.

Não por acaso, o fisioterapeuta cearense Helder Montenegro resolveu estudar o assunto para buscar mais uma alternativa no combate às encrencas no disco vertebral. Depois de trabalhos e viagens, o expert trouxe dos Estados Unidos dois equipamentos que, segundo ele, trazem alívio para os problemas de coluna, entre eles, a hérnia de disco, a desidratação e degeneração discal e a instabilidade vertebral.

Um desses aparelhos é a mesa de tração eletrônica. Ela lembra uma cadeira de dentistas e é acoplada a um computador, por meio do qual o profissional poderá calcular as cargas aplicadas ao paciente. Ao contrário das mesas de tração antigas, usada nos anos 1970, esta depende do que é programado pelo fisioterapeuta. O paciente é preso pelo tórax e pelos quadris por cintos que o conectam ao equipamento. Depois de calculados o peso e a quantidade de etapas em que o procedimento será realizado, são programados os movimentos de tração, compressão e relaxamento da coluna, com a definição de uma carga mínima e outra máxima. Tudo para não prejudicar a musculatura da região.

“Os movimentos realizados na mesa imitam aqueles feitos no dia-a-dia”, explica Montenegro. E são eles que promovem uma abertura entre uma vértebra e outra. Assim, o nervo que passa pela coluna não fica comprimido. Em outras palavras, não há dor. “Quando o disco é pressionado pelas vértebras, diminui a quantidade de oxigênio que ele recebe e aumenta a concentração de hidrogênio”, afirma o fisioterapeuta. “Isso faz com que o pH da região se torne ácido, favorecendo a irritação e a dor”, completa. Depois de entrar em ação, a mesa ajuda a preservar esse espaço e permite que o disco permaneça mais hidratado e, portanto, saudável.

O outro item que auxiliará o combate das hérnias e afins é a mesa de descompressão dinâmica, que também se vale de movimentos nas articulações. “Assim como a outra, esta visa aumentar o espaço intra-discal , conta Montenegro. A diferença é que o especialista recorre a ela quando o paciente já se sente menos incomodado com o problema no disco – geralmente ela é usada depois de o indivíduo passar pela mesa de tração eletrônica.

Para fechar a lista de equipamentos, Helder Montenegro, que tem clínicas em Fortaleza e na cidade de São Paulo, aposta no estabilizador vertebral. O utensílio vem da Austrália e, quando colocado sob o paciente, verifica as condições da musculatura que sustenta a coluna, especialmente na porção lombar, próxima à cintura. “Ele serve como um guia para trabalhar corretamente esses músculos”, diz o especialista.

O tratamento que reúne esses três aparelhos costuma durar dois meses. Mas, atenção, depois de se submeter a ele, o paciente deve se comprometer a fazer atividades físicas específicas para a manutenção dos benefícios. “Caso contrário, em cerca de um ano e oito meses, o problema pode voltar”, conta o fisioterapeuta. Os exercícios em questão são musculação dirigida e acompanhada por um professor de educação física, ou pilates. Montenegro, aliás, é categórico: “Se o paciente não se compromete a fazer os exercícios, não iremos atendê-lo”. Na visão do especialista, eles são imprescindíveis.

As principais contra-indicações da terapia que aposta nessa tríade de aparelhos são os casos de hérnia de disco aguda. “Não a recomendamos a pacientes que, por causa do problema, têm incontinência urinária ou já perderam a força nas pernas”, avisa Montenegro. Baseado em pesquisa com 30 pacientes, o especialista assegura que 87% deles se consideram satisfeitos com o tratamento.

Procuramos ortopedistas e cirurgiões para ouvir outras visões sobre a terapia. Eles preferiram não emitir opinião uma vez que, como o uso das mesas é recente, ainda poucos a conhecem suficientemente bem para uma análise correta. Sem contar que existem poucos trabalhos científicos a respeito.

 

Fonte: Abril

Comentários

Notícias Relacionadas

Penapolense derrota União Barbarense e encosta nos... Penapolense e União Barbarense se enfrentaram nesta quarta-feira (6), pela abertura da sexta rodada do Paulistão Chevrolet 2013 e o time de Penápolis ...
‘Não haverá reintegração de posse’, ga... Foto: Divulgação Superintendente do Incra garantiu que documento de desapropriação por interesse social está pronto O superintendente regional d...
SUS vai oferecer vacina contra o HPV A vacina passará a fazer parte do calendário nacional em 2014, quando poderão ser imunizadas meninas de 10 e 11 anos de idade Imagem do HPV: Em 2014,...
MALWARE MADE IN BRASIL   Um malware é um código malicioso que invade o sistema com o intuito de alterar o funcionamento do sistema operacional e seus componentes...