Suspensão de passaportes pode prejudicar intercambistas no médio prazo

Flávio Imamura, sócio fundador da Global Study, alerta para a necessidade de regularização

 

Desde a terça-feira passada, dia 27 de junho, a emissão de passaportes foi suspensa pela Polícia Federal. A justificativa é de que a medida decorre da insuficiência do orçamento destinado às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem. Por enquanto, não há previsão para normalizar o serviço.

 

Segundo Flávio Imamura, sócio fundador da Global Study, a medida pode prejudicar estudantes intercambistas no médio e longo prazo. “O intercâmbio exige um planejamento antecipado de, no mínimo 60 dias. Sendo assim, os estudantes que estão para embarcar já estão com seus documentos em mãos. No entanto, o que nos preocupa são os estudantes que ainda planejam a viagem e não tem passaporte”, alerta.

 

Para o empresário, o problema precisa de uma solução urgente, caso contrário, afetará diretamente os setores de intercâmbio e turismo. “O país já vive uma crise sem precedentes, onde praticamente todos os segmentos da economia estão sendo brutalmente afetados. A suspensão da emissão de passaportes pode agravar a situação ainda mais”, preocupa-se.

 

Comentários