República de Bagunças e Escândalos

Por Douglas S. Nogueira

O Brasil sempre foi um país em tese um pouco desorganizado na questão política. Após a proclamação da república o intuito da mesma visava modificar e dizia então ser algo organizado, respeitoso e para todos.

         Mas anos foram se passando a república já totalmente instituída e de certa forma estabilizada agravou ainda mais os problemas políticos no Brasil que pareciam ter aumentado significativamente, escândalos, bagunças, corrupções, desordens por toda a parte do Congresso Nacional.

         Presidentes foram sendo eleitos anos a anos, o povo votando, elegendo, entretanto com a grande impressão de que a república era nada mais nada menos do que uma ditadura, monarquia disfarçada, já que os eleitores elegiam numa espécie de marketing desonesto aqueles candidatos que a mídia desejava e sabemos que até hoje é assim, somos manipulados à votar em quem a imprensa de um modo geral deseja e o resultado já conhecemos, dinheiro na cueca, mensalão, escândalos como o de Erenice Guerra, desacertos parlamentares, corrupções como a de Fernando Collor de Mello que na época de seu mandato quase levou o Brasil à falência, além da morte inexplicável de Paulo César Faria (PC Farias,) o recente impeachment de Dilma Rousseff, onde visivelmente ficou impossibilitada de trabalhar devido a “boicotes interesseiros” do congresso nacional, afetando como consequência toda nação,  entre outros.

         Nos dias atuais os problemas políticos republicanos parecem não terem fim, pois além de corrupções, escândalos e bagunças constantes, o Brasil agora apresenta ao mundo algo ridículo, candidatos fanfarrões como é o caso de Tiririca, que queiramos ou não é um humorista ou melhor palhaço, ex-jogadores de futebol que encerradas suas carreiras já milionários, partem para a política em busca de manipularem através de seus nomes e do que fizeram pelos clubes, a cabeça de milhares de eleitores que logicamente são torcedores daqueles mesmos clubes que tais ex-jogadores se destacaram, além de pessoas que nada tem a ver com a política, cita-se aí o falecido Clodovil.

         Não se há mais respeito pela república brasileira, a grosso modo qualquer um pode envolver-se com ela e manipular de forma desonesta a cabeça do povo. Ficou fácil muito fácil, utilizar a política como válvula de escape para se ganhar dinheiro, poder ou não apagar o seu nome da mídia.

Douglas S. Nogueira

         É isso, infelizmente é isso que já ocorria e hoje está à tona. Não se há mais restrições para uma pessoa tornar-se político, tudo bem que na implantação da república, o lema era “para todos”, talvez tal lema foi o responsável direto por toda essa bagunça e desorganização atual, pois muitos utilizam-se do mesmo para “aproveitarem” e se infiltrarem na política como uma forma de enriquecerem-se e tornarem-se famosos.

         A verdade é que o Sr. Marechal Deodoro da Fonseca, instituiu de forma incorreta a república no Brasil, e tudo que começa errado progride e termina errado. Na criação da República, Fonseca deveria ter deixado claro em linhas documentadas, que a mesma era algo sério, para o bem do povo e não para a manutenção pessoal, além do mais, declarado que era sim para todos, porém com algumas restrições como: ser alfabetizado, participar freqüentemente de associações voltadas ao bem-estar social, enfim detalhes que certamente evitariam fazer do eleitor atual um verdadeiro trouxa que é ainda obrigado a votar. Obrigado a votar… democracia ou ditadura?

         A república brasileira teria conserto, se fosse destituída, refeita, planejada e instituída novamente com o único intuito de promover a satisfação do desiludido povo brasileiro.

 

Autor: Douglas S. Nogueira

Técnico de Manutenção e Planejamento

E-mail : douglas_snogueira@yahoo.com.br 

Blog: www.douglassnogueira.blogspot.com