Prefeitura de SB pagou R$ 23,09 pelo biscoito

7FA8A51E475Foto: Divulgação

A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste pagou, entre 2010 e 2011, R$ 23,09 por cada pacote de um quilo de biscoito de polvilho que recebeu da Comercial de Alimentos Nutrivip do Brasil, empresa acusada pelo MPE (Ministério Público Estadual) de superfaturar em 40% os produtos da merenda escolar do município. A informação, que revela uma cobrança apenas neste item de 791% em relação ao preço de mercado, faz parte de um relatório técnico a que o LIBERAL teve acesso nesta sexta-feira.

O documento, produzido pelo Caex – órgão responsável por perícias e informações de inteligência das Promotorias de São Paulo -, compara valores unitários da Nutrivip com preços praticados em 2010 pelas empresas Atacadão e Supermercado Dalben e em 2012, pelo Grupo Pão de Açúcar. Diante das duas primeiras, as diferenças – todas para cima – foram de R$ 1,1 milhão e R$ 1,3 milhão, respectivamente, enquanto que para o último chegou a R$ 400 mil, na compra total.

Segundo o parecer, o mesmo pacote de biscoito de polvilho poderia ser comprado em uma loja do Pão de Açúcar por R$ 1,75 até o final do ano passado. Valores altíssimos também foram encontrados em itens como biscoito de maisena (R$ 11,59 contra R$ 1,75 na pesquisa do Caex) e leite em pó (R$ 17,29, 78% a mais do que no Atacadão).

Em produtos como macarrão, fubá, açúcar, suco em pó, orégano, sardinha em conserva e patê de atum, o suposto superfaturamento ultrapassa os 100%. Ao todo, o contrato contestado da empresa somava R$ 3,2 milhões para o fornecimento de mais de 100 itens ao longo de 12 meses.

De acordo com o promotor Leonardo Romano Soares, que assina uma ação que pede a devolução de R$ 1,5 milhão – que seria o prejuízo atualizado do município – para a Prefeitura o parecer comprova a irregularidade. “Por ato obviamente doloso, a Nutrivip lesionou o cofre municipal ao impor preços em muito superiores aos praticados no mercado, na relação negocial havida com o município”, diz o processo, que tramita na 1ª Vara Cível da cidade.

BLOQUEIO. Soares pediu à Justiça o bloqueio de bens da empresa, mas o juiz Thiago Chicarino considerou os elementos insuficientes para decretar a medida. O MP ainda pode recorrer da decisão ao Tribunal de Justiça do Estado.

A advogada da empresa, Marília Soares, negou o superfaturamento. “Ainda não tive acesso à ação, mas nós garantimos que não há qualquer irregularidade no contrato”, disse.

Embora a Nutrivip tenha vencido, no ano passado, outro pregão e siga fornecendo alimentos para a merenda, a Prefeitura de Santa Bárbara informou que vai aguardar ser notificada sobre a ação para tomar qualquer medida sobre o caso. “A Secretaria de Negócios Jurídicos aguarda a notificação para tomar as providências necessárias”, informou a assessoria de imprensa do município.

Fonte: O liberal

 

Comentários

Notícias Relacionadas

Vídeo de cachorro agredido até a morte foi feito n... Imagens foram feitas por casal preso em 2012, segundo a ONG Peta. No Brasil, maus-tratos a animais rendem prisão de até um ano e multa. Um vídeo...
“Você protege os vagabundos do Romano, vai t... Hoje pela manhã, segundo site oficial do Vereador Bebeto do Romano o Prefeito Denis Andia, em encontro rápido com o vereador após sua entrevista na Ra...
Sinais misteriosos intrigam moradores de pequena c... Desenhos geométricos surgem em plantações há seis anos em Ipuaçu (SC). Perito diz que figuras não são humanas A pequena cidade de Ipuaçu, no Esta...
Prefeitura instala floreiras e nova iluminação da ... A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste segue com os serviços de revitalização da área central do município. Nos últimos dias, as equipes de trabalho in...