Planejamento familiar e saúde integral fazem parte do dia a dia da futura mamãe brasileira

Em comemoração ao Dia da Gestante (15/08), a especialista em reprodução humana, Dra. Carla Iaconelli faz um apanhado dos principais anseios das futuras mamães brasileiras.

Ginecologista há mais de 10 anos, Carla, primeiramente, traça uma linha do tempo desde a década de 90, na qual as escolas enfatizavam como evitar uma gravidez indesejada, principalmente na adolescência, até a educação atual das brasileiras – h oje priorizando a saúde integral do ser humano.

“A mulher contemporânea busca constantemente informações sobre fertilidade e infertilidade. Ela tem dúvidas de como e quais são os procedimentos para preservar seus óvulos, caso queira postergar a maternidade.  Porem, também já reconhece a importância de levar uma vida saudável em qualquer etapa da vida. Assim como a ascensão profissional, o planejamento familiar faz parte do seu dia a dia, consequentement e, a preparação do corpo, mente e emocional para o momento certo de engravidar”, reflete a especialista.

Já para as tentantes e gravidinhas de primeira viagem, Dra. Carla Iaconelli preparou um breve manual com as dúvidas mais frequentes que recebe em seu consultório, localizado na capital paulista. Confira as dicas:

Quando devo me preocupar com infertilidade?

Dra. Carla Iaconelli – A chegada da puberdade traz a possibilidade biológica de engravidar, mas o corpo não está preparado para isso ainda, muito menos a cabeça. Mas é ai que a preocupação com a fertilidade se inicia, na puberdade podemos detectar diversas doenças que poderão definir o futuro reprodutivo da meni na, uma vez que doenças relacionadas podem se manifestar nesta fase como Síndrome dos ovários policísticos, endometriose, distúrbios menstruais, puberdade precoce, entre outras.

O início da vida sexual também é um momento crítico, pois sexo sem proteção pode transmitir doenças que impactam na fertilidade como doença inflamatória pélvica causada por clamídia, gonorreia, entre outras doenças.

Portanto a menina deve passar em consulta com ginecologista no período da menarca (primeira menstruação) para avaliação médica e até antes para orientações e educação sexual, uma vez que a vida sexual se inicia cada vez mais cedo.

Ácido Fólico: Qual a importância de ingerir antes e durante a Gravidez?

Dra. Carla Iaconelli: O ácido fólico é uma vitamina do complexo B que, se tomada diariamente um mês antes da data que a paciente pretende engravidar e mantida nos três primeiros meses de gravidez, previne em até 80% os casos de má formação fetal com defeito do tubo neural (estrutura que dará origem ao sistema nervoso cen tral do bebê), previne também má formação cardíaca, do trato urinário e fissura lábio-palatina.


Existe algum alimento especial para auxiliar na fertilidade?

Dra. Carla Iaconelli: Alimentos como a laranja, limão, acerola, abacaxi, mamão, goiaba e pimentão são ricos em vitamina C, que mantém a imunidade equilibrada por ser antioxidante. Além disso, a vitamina C fortalece o aparelho reprodutivo contra doenças que podem causar infertilidade e normaliza a ovulação. Já a ausência de vitamina E no organismo é uma das maiores causas de infertilidade, além de ser responsável por proteger o DNA e melhorar a qualidade do útero e do endométrio aumentando a vascularização da região. Alimentos como o espinafre, couve, alface e alguns óleos vegetais são boas fontes dessa vitamina. Portanto, é indicado apostar em saladas verdes.

Qual a idade ideal para preservar os óvulos?

Dra. Carla Iaconelli: Não há um limite de idade para congelar os óvulos, se a mulher os produzir, e se forem maduros após a punção, poderão ser congelados. O problema é que a qualidade desses óvulos piora com a idade e mais óvulos seriam necessários para se atingir uma gestação. Sabe-se que, em geral, as melhores taxas de ge stação são obtidas com óvulos de mulheres com menos de 35 anos e que após essa idade só piora. Portanto quanto mais jovens forem os óvulos congelados, melhores serão as chances.

Mas não podemos nos esquecer que os tratamentos devem ser individualizados e que mulheres com 30 anos podem apresentar menopausa precoce inviabilizando o congelamento aos 35 anos, então o melhor a fazer, se planeja congelar óvulos, é procurar um especialista em reprodução humana assistida para avaliação da resposta ovariana para melhor planejamento.

 

A partir do momento em que a mulher descobre que está grávida, ela precisa parar de ingerir álcool imediatamente?

Dra. Carla Iaconelli: Sim. A partir de quando a mulher descobre estar gestante deve parar imediatamente de ingerir bebidas alcoólicas, cigarro e drogas ilícitas. Deve rever os medicamentos em uso para adequar à gestação. O mais indicado é parar. Reduzir a uma dose ao dia o uso de bebidas alcoólicas, se estiver tentando e ngravidar e parar totalmente o uso após a ovulação.

Antidepressivos durante a Gravidez aumentam o risco de Autismo no bebê?

Dra. Carla Iaconelli: O uso de alguns tipos de antidepressivos, entre o segundo e o terceiro trimestre de gestação, podem quase que dobrar o risco de autismo. Sabe-se que as chances de uma gravidez gerar um bebê autista é de cerca de 1%, ou seja, mesmo com o aumento de 87% com o uso de antidepressivos pela mãe, essa chan ce continua pequena, de 1,87%. Outro ponto a ser considerado é que genes da depressão estão relacionados ao autismo, dessa forma, não é possível concluir se o aumento é pelo antidepressivo ou pela herança de fatores genéticos relacionados à depressão.

Dra. Carla Iaconelli

Sobre Dra. Carla Iaconelli

– Formada em Medicina no ano de 2006 pela Faculdade de Medicina de Santo Amaro;

– Especializada em Clínica Médica pelo Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE);

– Especializada em Ginecologia, Obstetrícia no Hospital da Beneficência Portuguesa de São Paulo;

–  Pós-graduada em Reprodução Humana Assistida pela Associação Instituto Sapientiae;

– Pós-graduada em Ginecologia Minimamente Invasiva pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês;

– Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e Título de Capacitação em Reprodução Assistida pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA).

Em 2014 conquistou o título de Mestre em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Comentários