Piracicaba: Emdhap orienta famílias dos Ipês Roxo, Amarelo e Branco a viverem em condomínio

Reuniões técnicas sociais aconteceram ao longo desta semana, na sede da empresa de habitação


Para boa parte das 720 famílias beneficiadas com moradias dos empreendimentos Ipês Roxo, Amarelo e Branco, viver em condomínio será algo totalmente novo. Com o objetivo de auxiliar os futuros moradores do empreendimento a manterem uma boa convivência, as equipes de assistentes sociais da Empresa Municipal de Desenvolvimento Habitacional de Piracicaba (Emdhap) e da empresa responsável pela gestão condominial do empreendimento, Neves Neves, que representa a Caixa, estão realizando reuniões técnicas sociais, visando despertar nessas pessoas noções de coletividade que facilitem o convívio entre pessoas de diferentes hábitos e culturas. Os moradores dos Ipês Amarelo e Branco já participaram da reunião. Na tarde de hoje, 1º, foi a vez de 246 famílias do Ipê Roxo

No dia 26 de maio foi realizado o sorteio das 720 unidades habitacionais do empreendimento, no Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas. Os contemplados já retiraram o requerimento de vistoria dos apartamentos, localizados na rua Corcovado, região de Santa Teresinha.

A Emdhap e a empresa de gestão condominial estarão presentes durante 12 meses após a ocupação para tirar as dúvidas e ensinar os futuros moradores do empreendimento a conviverem em equilíbrio. A empresa responsável pela administração do condomínio será escolhida pelos próprios moradores, as despesas não poderão ser feitas sem antes consultar a receita do condomínio.

O presidente da Emdhap, João Manoel dos Santos, destacou que os moradores precisam saber que todas as contratações de pessoal feitas vão gerar encargos sociais e se eles querem um benefício têm que fazer a parte deles e pagar em dia a taxa condominial.

João Manoel explica ainda que, como grande parte das famílias contempladas vieram de comunidades carentes e jamais haviam residido em um condomínio, há dificuldade de adaptação. “Mas acredito que com as orientações que estão recebendo durante as reuniões, o convívio em coletividade será melhor”.

A procuradora jurídica do município e gestora dos contratos Caixa/Emdhap, Silvani Lopes, ressaltou que até a assinatura do contrato, o contemplado pode desistir do apartamento. “Agora é hora de examinar se realmente é isso que o contemplado quer, ver se é lá que eu ele quer morar. É o momento de refletir”. Após a assinatura do contrato o beneficiado não poderá mais participar de nenhum programa de habitação de interesse social a nível nacional.


NOVA EXPERIÊNCIA – Até se mudar para o empreendimento, Maria Antonia de Menezes Miranda, 53, continua morando com o marido em uma casa de fundo no bairro Algodoal, que segundo ela, é muito pequena. Ciente de que alguns hábitos deverão ser mudados, ela afirma que sua adaptação não deverá ter problemas, por saber respeitar o espaço de cada um. “Assim que estiver em minha nova casa, pretendo participar das reuniões de condomínio, porque os assuntos são de interesse de todos os moradores e o único objetivo é convivermos bem um com os outros”.

Moradora do Bosques do Lenheiro, Flaviane Alves Vilela, 27 anos, se mudará para sua nova moradia com o marido e seus três filhos. “Não sou uma pessoa de relacionamento muito fácil. Mas me esforçarei para ter uma convivência saudável com as outras pessoas”, garantiu.

CONDOMÍNIOA instalação do condomínio é uma exigência para o registro do empreendimento em cartório, antes da entrega das chaves. As famílias são informadas da necessidade de eleger síndico e criar um regimento interno, que irá determinar quais são as normas que vão detalhar o cotidiano do condomínio, em especial das áreas de uso comum, como parquinho, quadras esportivas, salão de festas e estacionamento.

Os próprios moradores que decidem o que será ou não permitido no interior do conjunto, em votações nas assembleias. Do mesmo modo será definido o valor mensal a ser pago pelo condomínio, de acordo com os serviços que forem implantados, como interfones, portaria, vigilância, outros.

Comentários