Parceria com a Microsoft levará tecnologias inovadoras a escolas do SESI

Acordo visa formar futuros profissionais de Tecnologia da Informação e estimular o desenvolvimento de empresas de base tecnológica

Um acordo assinado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com a Microsoft vai permitir que escolas da rede SESI passem a usufruir ainda este ano de novas tecnologias educacionais para facilitar o aprendizado em várias disciplinas. Também será oferecida formação técnica para professores e incentivo ao desenvolvimento de startups. A parceria não envolve contrapartidas financeiras.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade afirmou que a melhora da qualidade do ensino, sobretudo na educação básica é um dos grandes desafios que o Brasil precisa enfrentar. Segundo ele, esta parceria trará frutos para a indústria e para o país, ao proporcionar soluções tecnológicas que contribuam para a melhor qualificação de futuros trabalhadores. “Um dos grandes desafios que nós temos é exatamente avançarmos para que a nossa educação seja uma educação do futuro, preparando os jovens para que estejam prontos para um mundo em que cada dia surge uma coisa nova”, disse.

Segundo a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia, a parceria com o CNI é uma iniciativa promissora, já que atua em duas frentes fundamentais. “O apoio à educação e o estímulo ao empreendedorismo estão entre as prioridades da Microsoft no Brasil, porque acreditamos que ambos são os alicerces para o desenvolvimento do País”, diz Paula. Ela destaca também a capilaridade da parceria, que atingirá jovens em todo o território nacional, que estão em busca de formação adequada para se desenvolverem profissionalmente.

Na parceria, além de fornecer aplicativos, a Microsoft oferecerá treinamentos aos professores do SESI. Especialistas da multinacional levarão conhecimentos técnicos nas ferramentas da empresa, que serão disponibilizadas gratuitamente, e mostrarão maneiras criativas de usar as novas tecnologias no processo de ensino de jovens. Entre as plataformas está o Minecraft for Education, versão educacional do jogo que é uma febre entre crianças e adolescentes no mundo inteiro. Professores e gestores serão instruídos a criar conteúdos interativos e planos de aula utilizando a nova versão do Minecraft, que foi concebida com funcionalidades direcionadas ao ambiente escolar, incluindo desenvolvimento de código, habilidade cada vez mais demandada no mercado de trabalho.

Alunos da rede também terão acesso aos aplicativos da plataforma de colaboração e criação de conteúdo mais utilizada em todo o mundo, o Office 365. A proficiência na plataforma Office 365 é uma das características mais demandadas por empregadores; o objetivo é que os estudantes possam ser preparados para os novos desafios do mercado de trabalho e que possam ter um papel ativo na transformação da Indústria nacional.

No que diz respeito ao acompanhamento do aprendizado, a Microsoft disponibilizará gratuitamente um software que opera em ambiente de rede e que traz funcionalidades simples que permitem ao professor monitorar o processo de cada aluno. Os educadores também terão acesso a uma homepage que reúne os aplicativos para gerenciar aulas, criar avaliações e colaborar com outros profissionais em uma comunidade virtual.

EMPREENDEDORISMO – De acordo com o diretor-superintendente do SESI, Rafael Lucchesi, mais do que modernizar a rede de escolas da instituição, a parceria com a Microsoft servirá para estimular a formação de profissionais para o setor de tecnologia da informação e com perfil empreendedor. “Além de receberem noções de linguagem de programação, os estudantes terão um aprendizado conectado com a realidade, o que permitirá, inclusive, o desenvolvimento de empresas de base tecnológica (startups)”, destaca.

Além de tecnologias educacionais, a parceria também permitirá o uso de soluções em nuvem criadas no Laboratório de Tecnologias Avançadas (ATL, em inglês) da Microsoft, localizado no Rio de Janeiro, para o desenvolvimento de tecnologias para a prevenção de acidentes e melhoria da saúde do trabalhador.

Comentários