NEI busca emplacar novos finalistas na edição 2016 do EPTV na Escola


“O Brasil que eu vou ajudar a construir” é o tema 2016 do projeto que incentiva estudantes a mostrarem seu papel na sociedade.

O projeto EPTV na Escola foi criado em 1999 na EPTV Central, em São Carlos, através de um projeto piloto nas cidades da área de cobertura daquela região. O sucesso entre os alunos e escolas participantes foi tão grande que, no ano seguinte, em 2000, passou a ser realizado em todas as praças da EPTV.

O EPTV na Escola tem como objetivo incentivar estudantes a mostrar seu papel na sociedade, permitindo a interação dos alunos com um veículo de comunicação. O concurso premia os autores das melhores redações inscritas no projeto. É um concurso de redação entre todos os alunos do último ano do ensino fundamental das cidades de cobertura geográfica da EPTV. Os 30 (trinta) estudantes classificados de cada cidade ganham um dia de passeio na cidade de Campinas, com direito de visita à EPTV e a um Shopping local. No final das etapas, serão escolhidos os dez melhores trabalhos da região, onde os autores ganham prêmios e produzem uma série de reportagens baseadas no texto das redações finalistas que será exibida em nosso telejornal.

“A expectativa dos alunos do Núcleo de Educação Integrada é grande”, afirma a educadora de Literatura e Escrita, Maria Regina Sargiolato. “No último ano, 2015, cinco dos nossos alunos chegaram às finais. Naquela edição os adolescentes voltaram seu olhar para dentro da própria escola e trabalharam o tema ‘A educação que tenho é a que eu deveria ter?’. Dos cinco textos que podiam ser enviados à Diretoria de Ensino, representando a escola da Fundação Romi, para nossa alegria, os cinco foram classificados. Fato que aumenta o peso da responsabilidades sobre a garotada deste ano”, conclui entre risos.

O renomado antropólogo, professor e consultor de empresas, Luiz Marins, fez algumas reflexões sobre o tema da edição 2016 do EPTV na Escola, durante sua palestra no lançamento do projeto em Ribeirão Preto. Suas ponderações dão elementos aos professores para o trabalho em sala de aula. Para Marins, “O aluno poderá dar a sua visão do Brasil e como ele, como pessoa e como cidadão, poderá agir dentro de suas reais e concretas possibilidades”. E acrescenta: “Eles poderão discutir valores e virtudes necessárias para a construção do Brasil que eles querem para eles próprios no futuro”.

 

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA

O Núcleo de Educação Integrada é fruto dos mais de 20 anos de experiência da Fundação Romi na área de Educação. Uma escola de Ensino Fundamental II cujo sistema de ensino, próprio e inovador, faz do aluno agente ativo de sua própria formação. A proposta pedagógica abrange o currículo oficial do Ministério da Educação além de diversas áreas do conhecimento que, através da interdisciplinaridade e desafios, desenvolvem a autonomia e a capacidade de socialização de seus alunos. Av. Monte Castelo, 1095, Jd. Primavera – Santa Bárbara d’Oeste, SP. (19) 3499-1555. www.fundacaoromi.org.br/nei. www.educacaoquetransforma.org.br

FUNDAÇÃO ROMI

Criada em 1957, em Santa Bárbara d’Oeste, pelo casal Américo Emílio Romi e Olímpia Gelli Romi, a Fundação Romi tem como missão promover o desenvolvimento social e humano através da educação e cultura. Pioneira na promoção da comunidade regional e na realização de ações sociais, atende mais de 30 mil pessoas por ano por meio de seus quatro grandes eixos: o Centro de Vivências do Desenvolvimento Infantil (CEDIN), o Núcleo de Educação Integrada (NEI), Centro de Documentação Histórica (CEDOC) e a Estação Cultural (EC). Tendo como apoiadora a Indústrias Romi S.A., instituições governamentais e não governamentais e demais parceiros da iniciativa privada, a Fundação Romi objetiva, continuamente, atingir maior número de beneficiários por meio de suas áreas de atuação, seus programas e projetos. Av. Monte Castelo, 1095, Jd. Primavera – Santa Bárbara d’Oeste, SP. (19) 3499-1555. www.fundacaoromi.org.br.

Comentários